Sex10302020

Last update06:50:14 PM

 

Back Você está aqui: Home Brasil

Brasil

Prorrogado prazo para vacinação contra febre aftosa no Estado de São Paulo

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo prorroga, excepcionalmente, para 30 de junho de 2020, os prazos para vacinação de bovinos e bubalinos contra febre aftosa e para vacinação das fêmeas bovinas e bubalinas contra a brucelose. Os prazos para entrega da declaração da vacinação da etapa de maio contra a febre aftosa e para a comprovação da vacinação contra brucelose realizada durante o primeiro semestre de 2020 ficam excepcionalmente prorrogados para o dia 31 de julho de 2020.

A Resolução estabelece também que fica igualmente prorrogado para o dia 
31 de julho de 2020 o prazo para a entrega do certificado de vacinação contra a brucelose e aftosa junto aos estabelecimentos de beneficiamento de leite ou produtos lácteos e entrepostos de leite, entre outros congêneres.

Números
Dados extraídos no dia 
29 de maio do sistema Gestão de Defesa Animal e Vegetal (Gedave) mostram que até aquela data 6.669.785 bovinos e bubalinos (64,86 %) do total do rebanho de 10.283.235 bovídeos envolvidos na etapa haviam sido vacinados. No sistema estão cadastradas 122.937 propriedades com bovídeos, das quais 66.095 (53,76%) haviam declarado a vacinação de seus animais.

O Gedave é o sistema informatizado da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, gerenciado pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária, que é o órgão responsável por zelar pela sanidade dos rebanhos de peculiar interesse, com atuação em 40 escritórios regionais (EDAs).

SÃO JOÃO

A Secretaria de Agricultura do Estado também divulgou os números dos 40 EDAs - Escritórios da Defesa Agropecuária.

Na EDA de São João da Boa Vista estão cadastradas 3.553 propriedades, e destas, 56.627% já informaram vacinação no rebanho

E o número de bovídeo cadastrado na EDA de São João da Boa Vista é de 320.684 e destes 65,695 foram vacinados.

O prazo prorrogado é para que o número de bovídeos cadastrados chegue a 100%.

Cartórios do Brasil passam a fazer divórcios e escrituras de compra e venda de imóveis por videoconferência

Realizar divórcios, compra, vendas, doações, partilhar e inventários de bens imóveis urbanos e rurais no Brasil agora são atos que podem ser realizados por meio de videoconferência por todos os Cartórios de Notas do país. A norma, que também permite a realização de autenticações de documentos, reconhecimentos de firmas, procurações públicas, como as de fins previdenciários para recebimento de pensão do INSS, e atas notariais, vale a partir desta quarta-feira (27/05), abrange todos os imóveis e cidadãos localizados no País e não está restrita ao período da pandemia.

Publicado pela Corregedoria Nacional de Justiça do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão fiscalizador dos serviços dos cartórios, o Provimento nº 100/2020 dispõe sobre a realização de atos notariais eletrônicos à distância utilizando a plataforma e-Notariado (www.e-notariado.org.br), desenvolvida e administrada pelo Colégio Notarial do Brasil - Conselho Federal (CNB/CF), criando ainda a Matrícula Notarial Eletrônica - MNE, que padronizará e realização de atos e a emissão de certidões em todo o País.

Para a realização do ato eletrônico, o Cartório deverá proceder à identificação dos contratantes de forma remota, assim como suas capacidades para a realização do mesmo. A videoconferência será conduzida pelo tabelião de notas que indicará a abertura da gravação, a data e hora de seu início, o nome por inteiro dos participantes, realizando ao término do ato, a leitura na íntegra de seu conteúdo e colhendo a manifestação de vontade de seus participantes.

Uma vez que se tratam de atos importantes para a vida das pessoas - como a compra e venda de imóveis, doações, divórcios, inventários e procurações -, os participantes prestarão declaração expressa e inequívoca de aceitação do procedimento realizado pelo Cartório, declarando verbalmente na videoconferência que o teor do documento foi lido, compreendido, não possui dúvidas e o aceita como verdadeira expressão de sua vontade. A gravação de todo o procedimento, assim como seu arquivamento, se dará na própria plataforma do e-notariado.

Considerados serviços essenciais durante a pandemia de COVI-19 pelo Provimento nº 91 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), os Cartórios de Notas são essenciais para o exercício de direitos fundamentais das pessoas, para a circulação da propriedade e para a obtenção de crédito como garantia real. Seu funcionamento no Brasil durante a pandemia de COVID-19 acontece em regime de plantão presencial, com duração não inferior a duas horas, ou virtual, com duração não inferior a quatro horas.

Latam pede recuperação judicial nos Estados Unidos

Grupo Latam Airlines entrou com pedido de recuperação judicial nos EUA por causa da crise do novo coronavírus. Em comunicado oficial, a empresa afirmou que "anuncia reorganização para garantir sustentabilidade no longo prazo".

O pedido inclui as afiliadas no Chile, Peru, Colômbia, Equador e EUA. Segundo a nota da empresa, Argentina, Brasil e Paraguai não estão incluídos no processo de reorganização pelo Capítulo 11, que faz parte da lei de falências dos EUA e permite um prazo para que as empresas se reorganizem financeiramente.

A nota da Latam diz que "no Brasil está em discussão com o governo brasileiro sobre próximos passos e suporte financeiro às operações brasileiras".

Nas últimas semanas, a Latam anunciou a destituição de 1.400 funcionários de suas filiais no Chile, Colômbia, Equador e Peru, que se somam ao programa de aposentadoria voluntária de 800 pessoas em todas as suas filiais. A maior companhia aérea da América Latina anunciou na última semana que retomaria em junho as operações de forma gradual.

Luis Roberto Barroso toma posse como presidente do TSE em solenidade virtual


Em cerimônia inédita, sem convidados e sem plateia presencial, os Ministros Luís Roberto Barroso e Edson Fachin tomam posse nesta segunda-feira (25), às 17h00, como presidente e vice-presidente, respectivamente, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A nova gestão comandará a Corte até fevereiro de 2022.

Devido a pandemia provocada pelo novo coronavírus, desta vez, além Barroso e Fachin, apenas duas autoridades estarão presencialmente no plenário do TSE: a ministra Rosa Weber, atual presidente do Tribunal e o Ministro Luis Felipe Salomão, escolhido para dar as boas-vindas ao novo presidente em nome da Corte.

Um dos grandes desafios de Barroso será avaliar rapidamente a viabilidade das eleições municipais em outubro. O ministro já se manifestou sobre o calendário eleitoral este ano. Em reunião virtual com a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), no início desse mês, Barroso defendeu que, se for o caso, o adiamento seja o mais curto possível. A ideia é reprogramar o primeiro turno para 15 de novembro ou no máximo dezembro. Barros também rechaçou a hipótese de se fazer a eleição municipal junto com a eleição nacional, em 2022, o que exigiria a prorrogação por dois anos dos mandatos dos atuais prefeitos e vereadores. “Sou totalmente contra essa possibilidade. A democracia é feita de eleições periódicas e alternância no poder”, afirmou. “Os prefeitos e vereadores que estão em exercício neste momento foram eleitos para quatro anos”, lembrou acrescentando que o mandato atual termina no dia 31 de dezembro.

Coronavírus mata mais jovens no Brasil do que em outros países

Imagem: Anton Petrus/Getty Images

 

A proporção de adultos jovens mortos pelo novo coronavírus no Brasil é superior à de outros países duramente afetados pela pandemia, sobretudo nas classes mais pobres, que enfrentam mais obstáculos para cumprir as medidas de distanciamento social. No país de 210 milhões de habitantes, com uma população mais jovem que a europeia, 69% dos falecidos por covid-19 têm mais de 60 anos, segundo cifras oficiais.

Em países como Itália e Espanha, os maiores de 60 representam 95% dos óbitos. A diferença se explica, em primeiro lugar, pela pirâmide populacional: apenas 13,6% dos brasileiros têm mais de 60 anos, frente a 25% dos espanhóis e 28% dos italianos. Mas outros fatores também interferem. "Como o Brasil tem uma população mais jovem, é natural que o número de casos em pessoas abaixo de 60 anos seja maior. É porque jovens respondem ao vírus de forma diferente? Não, é porque tem muito mais jovens expostos", explicou à AFP Mauro Sanchez, epidemiologista da Universidade de Brasília. A taxa de adesão às medidas de quarentena, calculada com base no sinal dos telefones celulares, tem caído de forma constante no último mês, ao mesmo tempo em que o presidente Jair Bolsonaro questiona o confinamento parcial adotado em vários estados, em nome dos impactos econômicos destas medidas.

O percentual de mortos por coronavírus com menos de 60 anos - que era de 19% em abril - subiu a 31% esta semana, quando o país registrou pela primeira vez, na terça-feira, mais de mil mortes em um dia. Nesta quinta-feira, o Brasil alcançou 20.047 mortes, com um recorde de 1.188 óbitos em 24 horas.

"Dados preocupantes"

No que diz respeito aos contágios, o Ministério da Saúde não fornece dados sobre faixas etária. Especialistas destacam, ainda, que os dados oficiais de contágios podem ser 15 vezes menores que as cifras reais, devido à falta de testes em massa. Segundo estimativas do coletivo de pesquisadores Covid-19 Brasil, o país já teria 3,6 milhões de infectados, um número muito superior aos 310.087 que constam nos registros ministeriais. Segundo projeções do grupo, as faixas etárias de 20 a 29 anos e de 30 a 39 concentram mais de 580.000 casos cada uma, ou seja, cerca de um terço do total de contágios.

"Sabemos que temos formas de vírus diferentes circulando pelo mundo, mas ainda não temos informação sobre virulência diferente", afirma Patrícia Canto, pneumologista da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

"Os dados são preocupantes porque temos visto que as pessoas não estão tomando os devidos cuidados. Há mais jovens circulando. Na verdade, não deveria acontecer. Não é porque você não tem uma condição de risco que você não corre risco de contrair a doença", acrescenta.

Rodeio de Caminhões ganha live e premia motoristas com melhor performance em segurança viária

Motorista realiza prova em etapa regional do 9º Rodeio de Caminhões da Raízen


A Raízen, licenciada da marca Shell, segue mobilizada no esforço coletivo de combate aos impactos provocados pela Covid-19 no Brasil, especialmente na prevenção dos profissionais de setores essenciais da cadeia produtiva em que atua. É o caso dos milhares de motoristas que realizam a distribuição de combustíveis e açúcar nas operações da empresa. Por isso, no cenário atual de controle da propagação da doença, o tradicional Rodeio de Caminhões se adaptou e se transformou no Rodeio On Line, um evento que será transmitido ao vivo para celebrar a atuação exemplar destes profissionais.

A final da nona edição do Rodeio será em formato de live, em um programa inédito com shows, premiação e variedades. A grande atração será o anúncio dos campeões dessa edição, profissionais que foram implacáveis nas etapas regionais, exercendo as melhores práticas de segurança viária e sem registros de acidentes ou violações durante o ano. O programa poderá ser acompanhado no dia 
30 de maiosábado, a partir das 16 horas, pelo site www.rodeioraizen.com.br.

A frota contratada pela companhia conta com cerca de 5 mil motoristas de empresas prestadoras de serviços percorrendo aproximadamente 250 milhões de km por ano. A performance dos profissionais é acompanhada continuamente por equipamentos de ponta nos caminhões, como telemetria, cercas eletrônicas, rotograma falado e câmeras que registram em tempo real as ações dos motoristas. Estas iniciativas servem como referência para aprimorar os padrões de segurança, elevar a capacitação dos profissionais envolvidos e, consequentemente, garantir a segurança do profissional e das pessoas que interagem com a frota.

Os cinco melhores motoristas anunciados durante o Rodeio On Line receberão grandes prêmios (1º lugar ganha um carro; 2º lugar, uma moto; 3º lugar, um home theather; 4º lugar, um notebook e 5º lugar, um tablet) e os 50 melhores classificados nas etapas regionais serão premiados com uma viagem para um resort, onde ficarão juntamente com a sua família, durante 4 dias.

9° Edição do Rodeio de Caminhões
Em formato de competição, o Rodeio de Caminhões busca a educação e a valorização dos profissionais com destacada performance em segurança durante o ano. Os 200 motoristas com as melhores marcas de segurança e zero acidentes, participam de uma das quatro etapas regionais, onde são desafiados a mostrar suas habilidades realizando uma rotina de testes teóricos e práticos, que incluem precisão de manobras em um tempo de aproximadamente 7 minutos: curva com cones, estacionamento de ré, estacionamento paralelo ao meio-fio em 90 graus e linha de parada.

Os 50 melhores pontuados participam da grande final. Para participar, o motorista - além de realizar provas teóricas sobre atividades cotidianas antes da competição - precisa pertencer a uma transportadora que tenha atingido todos os indicadores de performance de segurança no período do ano-safra, como zero acidentes controláveis e zero derrame de carga líquida. Os profissionais ainda precisam ter um histórico de zero violação, não apresentando picos de velocidade e com um rigoroso cumprimento das regras de jornada de trabalho.

Uninter disponibiliza quatro cursos de extensão gratuitos na área da saúde para todo o país

Cursos foram criados para auxiliar população, comerciantes e profissionais da saúde em período de pandemia

Segundo a Organização Mundial da Saúde, mais de 3,5 milhões de casos de Covid-19 foram confirmados, destes, cerca de 250 mil pessoas morreram. Ter uma grande parcela da população esclarecida, centros comerciais seguindo regras de higienização e profissionais da saúde qualificados, é um fator de auxílio na redução dos impactos causados pela pandemia.

Pensando em todos os profissionais que não podem aderir ao isolamento social e estão diariamente arriscando suas vidas, na linha de frente do combate ao novo coronavírus, o Centro Universitário Internacional Uninter está disponibilizando para o público geral quatro novos cursos de extensão gratuitos.

As proteções contra o coronavírus também devem ser adotas em casa. No curso “Boas práticas em domicílio: Prevenção e convivência com o Coronavírus e outros microrganismos” os participantes conhecerão quais as medidas e as ações que as pessoas devem realizar em suas casas para evitar a contaminação e disseminação do vírus e outros microrganismos.

Pensando em atender o mercado crescente de empresas de alimentos que estão fazendo entregas por delivery, a Uninter também preparou um curso de extensão para os profissionais da área de alimentos – como manipuladores de alimentos, gestores e responsáveis técnicos de restaurantes, indústrias de alimentos e bebidas, nutricionistas, etc.

No curso “Boas Práticas na manipulação de alimentos” os alunos terão a oportunidade de aprender como minimizar os riscos de doenças. Aborda diferentes itens exigidos pela legislação atual para os serviços de alimentação e auxilia os profissionais na elaboração ou atualização do seu Manual de Boas Práticas de Manipulação de alimentos, manual este, exigido pela Vigilância Sanitária.

Já na área da saúde, dois cursos estão sendo oferecidos.

O primeiro deles é o “Emergências Respiratórias: Ventilação Artificial”, que tem como foco atualizar acadêmicos e profissionais da área da saúde (fisioterapeutas, médicos e enfermeiros) dos conhecimentos necessários ao manejo do paciente em situação de emergência das vias aéreas.

O segundo é o “Boas Práticas Farmacêuticas frente a Pandemia do Coronavírus”. Este tem como objetivo demonstrar aos farmacêuticos, práticas que podem ser adotadas para minimizar o risco de transmissão do coronavírus e também repassar orientações sobre a doença.

Cada curso tem carga horária de 60 horas, é gratuito e dá direito a certificado. E as inscrições podem ser realizadas pelo link: http://www.uninter.com/extensao/eventos/cursos-gratuitos-covid-19

TJSP alerta em campanha para a necessidade de denunciar a violência contra crianças e adolescentes durante isolamento social

No dia dedicado ao combate ao abuso e à exploração sexual infantil, ação tem importante papel de conscientização

O número de processos sobre a violência contra crianças e adolescentes no Estado de São Paulo caiu 40% no mês de abril em comparação com o ano anterior. Esse dado pode mascarar o real quadro de agressões e abusos contra esse segmento da população durante o período do necessário isolamento social imposto devido à pandemia da Covid-19. Isso porque cerca de 75% dos casos registrados são cometidos por familiares e pessoas próximas, como pais, padrastos, avós, tios e vizinhos, de acordo com a juíza Ana Carolina Della Latta Camargo Belmudes, responsável pelo Sanctvs (Setor de Atendimento de Crimes da Violência contra Infante, Idoso, Pessoa com Deficiência e Vítima de Tráfico Interno de Pessoas), do Fórum da Barra Funda.

Preocupado com esse cenário, o TJSP lançou a campanha “Não se cale! Violência contra a criança é covardia, é crime! Denuncie!” para alertar sobre os crimes, incentivar as denúncias e orientar como elas podem ser realizadas.

O “Palhaços Sem Juízo”, grupo de atores que atua nas “salas especiais” de depoimento  em fóruns de São Paulo, junto a crianças e adolescentes que sofrem esses abusos, integra a campanha produzindo vídeos para conscientização e reflexão.


Sinal de atenção

Segundo dados do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), 380 processos foram distribuídos em abril de 2019, contra 235 no mesmo período deste ano. Ao contrário de sinalizar um fato positivo, a queda indica que o período de quarentena necessária gerou um quadro de subnotificação dos casos – ou seja, eles com certeza permanecem ocorrendo, mas muitos não estão sendo denunciados.

Para romper o ciclo de violência, sobretudo nesse momento, a magistrada Ana Carolina considera fundamental que pais, amigos, parentes e vizinhos fiquem mais atentos e denunciem os casos, mesmo que seja uma suspeita. “Ainda que não haja comprovação do fato, é muito importante denunciar”, afirmou. “As denúncias são anônimas e, assim que são feitas, uma investigação é aberta justamente para que profissionais competentes e qualificados apurem os fatos.”

Um outro ponto que pode dificultar as denúncias no período de quarentena é o fechamento das escolas, porque muitos casos chegam ao conhecimento das autoridades pela percepção de professores e diretores. São esses profissionais que acabam identificando mudanças de comportamento das crianças e dos adolescentes que podem estar relacionadas a abusos sexuais. Com a suspensão das aulas presenciais, essa percepção e a denúncia dos casos ficaram inviabilizadas.


Orientações
Confira como identificar os sinais de violência, como lidar com a criança ou o adolescente e como fazer a denúncia:

Para quais sinais as pessoas devem estar atentas?

Há situações em que as violências não deixam sinais identificáveis, mas que devem ser monitoradas. Precisamos estar atentos a mudanças repentinas de comportamento e de humor. Alterações no sono e na alimentação também merecem atenção. Além disso, devemos observar a resistência da criança ou adolescente em ficar sozinho(a) ou em permanecer na companhia de determinada pessoa. Outras vezes, os sinais de alerta são mais explícitos, como gritos, choros constantes e marcas no corpo. Todas as situações devem ser vistas em sua complexidade e nunca isoladamente.

Se estou desconfiada(o), como devo abordar a criança/adolescente para tentar descobrir se aconteceu alguma coisa?

É fundamental estar calmo para conversar. A revelação da violência sofrida é um processo e, muitas vezes, não ocorre imediatamente ou é relatada de uma só vez. Seja, sobretudo, acolhedor, dizendo que não deixará de amá-la por qualquer situação que tenha acontecido. Faça perguntas abertas, jamais sugestivas. Por exemplo, ao invés de perguntar "Alguém mexeu com você na escola?", "Fulano tocou no seu corpo?", pergunte: "Aconteceu alguma coisa com você?", "Como está se sentindo?", "Há algo que você ache importante me contar?"  Caso a criança demonstre resistência em falar, não insista! Se há suspeita de violência, comunique às autoridades competentes e deixe que profissionais especializados abordem o assunto. Lembrando que a criança/adolescente não deve depor contra sua vontade na delegacia ou em qualquer outro lugar.

  

Onde denunciar

Disque 100: mantido pelo Governo Federal, recebe, encaminha e monitora denúncias de violação de direitos humanos. A ligação pode ser feita de telefone fixo ou celular e é gratuita. Funciona 24 horas, mesmos aos finais de semana e feriados. A denúncia pode ser anônima.

Aplicativo "Proteja Brasil": disponível para smartphones e tablets, o aplicativo gratuito, mantido pelo Governo Federal, recebe denúncias identificadas ou anônimas. Também disponibiliza os contatos dos órgãos de proteção nas principais capitais.

Conselho Tutelar: é o principal órgão de proteção a crianças e adolescentes. Há conselhos tutelares em todas as regiões. A denúncia pode ser feita por telefone ou pessoalmente, e as unidades estão funcionando em horários diferenciados. É possível encontrar os contatos pela internet

Delegacias de Polícia: seguem abertas 24 horas. Tanto as delegacias comuns quanto as especializadas recebem denúncias de violência contra crianças e adolescentes.

Polícia Militar: em caso de emergência, disque 190. A ligação é gratuita e o atendimento funciona 24 horas.

Quarentena prorrogada até 31 de maio

Ritmo de contágio acelerado gera aumento crítico em número de infectados e mortes por COVID-19; isolamento social precisa chegar a pelo menos 55%

O Governador João Doria confirmou nesta sexta-feira (8) que a possibilidade de flexibilização da quarentena em São Paulo está suspensa em todos os 645 municípios paulistas até31 de maio. A prorrogação se deve ao ritmo acelerado de contágio do coronavírus e o aumento crítico no total de infectados e de mortes por COVID-19, com risco iminente de colapso no sistema de saúde. 

"Como Governador de São Paulo, eu gostaria de dar uma notícia diferente, mas o cenário é desolador. Teremos que prorrogar a quarentena até o dia31 de maio. Queremos em breve poder anunciar a retomada gradual da economia, como está previsto no Plano São Paulo", disse Doria. 

"O pior cenário é o que alia mortes e recessão. Adotar a quarentena, como fizemos aqui em São Paulo, não é uma tarefa fácil. Mas trata-se de proteger vidas no momento mais difícil e crítico da história deste país", acrescentou o Governador. "A nossa decisão de prorrogar a quarentena é a decisão pela vida", completou.

A aceleração acentuada da contaminação por coronavírus em São Paulo coincide com a queda sensível nos índices de isolamento social em todo o Estado. A média paulista chegou a 47% na última quinta (7), muito longe da taxa considerada ideal, de 70%, e abaixo do mínimo de 55% estipulado como nova meta pelas autoridades em saúde. 

A decisão do Governo do Estado foi avalizada integralmente pelos especialistas do Centro de Contingência do coronavírus em São Paulo. O grupo é coordenado interinamente pelo diretor do Instituto Butantan, Dimas Tadeu Covas - o médico infectologista David Uip, que já teve COVID-19 e conseguiu superar a doença, se afastou novamente da coordenação por recomendação médica. 

A última reunião técnica dos 16 integrantes do Centro de Contingência do coronavírus aconteceu na últimaterça (5). A recomendação ao Governo do Estado pela extensão da quarentena foi unânime. Nos últimos 30 dias, o avanço da doença subiu 3.300% no interior e litoral e 770% na capital.

"Não existe nenhuma dúvida, do ponto de vista do Centro de Contingência, de que essas medidas têm que ser prolongadas em virtude da gravidade do momento", afirmou Dimas Covas. Até a tarde dequinta, o Estado de São Paulo registrava 39.928 casos confirmados de COVID-19 e 3.206 mortes. 

Embora o cenário atual seja muito preocupante, um modelo matemático do Centro de Contingência aponta que o isolamento social em todo o Estado de São Paulo evitou mais de 40 mil mortes desde o dia24 de março. Porém, a alta taxa de ocupação de leitos em hospitais por COVID-19 é o principal gargalo que exige a manutenção da quarentena. 

Na região metropolitana da capital, a taxa de ocupação de leitos para pacientes de coronavírus é de 89,6% em UTI e 74,9% em enfermaria, enquanto os índices estaduais ficam em 70,5% e 51,3%, respectivamente. Para que São Paulo possa sair da quarentena sem colocar o sistema de saúde em risco, os índices de ocupação hospitalar por COVID-19 precisam ficar abaixo de 60%. 

Quanto maior o tempo em que a taxa de distanciamento ficar abaixo de 55%, mais longa será a necessidade de manutenção da quarentena nos 645 municípios de São Paulo. Caso as taxas subam, a flexibilização para reabertura de atividades não essenciais poderá ser adotada em junho. 

Plano São Paulo 

Os requisitos da flexibilização vão se basear em critérios técnicos que incluem, como fatores principais, a redução sustentada dos números de novos casos de COVID-19 por 14 dias e a manutenção da ocupação dos leitos de UTI em patamar inferior a 60%. As medidas são semelhantes às adotadas por países como EUA, Alemanha, Áustria e China. 

A retomada total das atividades econômicas será norteada pelo Plano São Paulo, que vem sendo construído em diálogo permanente com o setor econômico. O Estado já recebeu e analisou contribuições de mais de 150 entidades e 250 empresas, que apresentaram mais de 3 mil diretrizes e propostas. As medidas vão priorizar os setores de acordo com a vulnerabilidade econômica e empregatícia. As áreas de Transportes e Educação receberão faseamento diferenciado.

Conselho Municipalista 

O Governador ainda anunciou a criação do Conselho Municipalista, que irá pactuar as futuras decisões de flexibilização da quarentena e retomada total da economia em São Paulo. O grupo será composto pelos 16 prefeitos de cidades sede de regiões administrativas do Estado e pelo Governador João Doria, o Vice-Governador Rodrigo Garcia e os Secretários de Estado José Henrique Germman (Saúde), Marco Vinholi (Desenvolvimento Regional), Patrícia Ellen (Desenvolvimento Econômico) e Henrique Meirelles (Fazenda e Planejamento).