Qua02202019

Last update04:00:19 PM

 


Back Você está aqui: Home Cultura

Cultura

A PONTE – qualidade artística da peça surpreende público e crítica

Foto Ismael Monticelli

   O dramaturgo canadense Daniel Mac Ivor que ficou conhecido do público brasileiro através da montagem de On It On (Sobre ele em), uma extraordinária encenação levada anos atrás com sucesso nos palcos de São Paulo dava a sua criação A Ponte vislumbres de imediato acerto artístico a exibição da peça, ora no Centro Cultural Banco do Brasil.

   O texto retrata o conflito entre três irmãs no paradoxo entre o afeto e diferenças pessoais, que separadas pela vida, são obrigadas a se reunir para enfrentar a morte iminente da sua mãe.

   Dosada de diálogos inteligentes, bem construídos, discutindo relações humanas de maneira não superficiais, trazendo o espectador à reflexão sobre o valor e a aceitação da salutar convivência familiar. A peça aborda a função da família em cada individuo. Embora as três irmãs, de personagens diferentes, e situações de vida tão distantes, se vem obrigados a unidade no meio que nasceram.

   Com segura direção de Adriano Guimarães premiado encenador brasileiro cujo recente trabalho foi a direção do espetáculo Imortal, adaptação de um conto do argentino Jorge Luiz Borges. Feliz nas marcações, no posicionamento das atrizes em cena.

   Elenco de alto nível conta com Maria Flor, Bel Kovarick e Debora Lamm que mergulham profundamente em suas personagens com raro brilho artístico num texto intenso, por vezes dramático, por vezes irônicos em sua caótica comicidade.

   Uma freira Teresa, uma artista falida  Agnés e Louise jovem apaixonada por series de TV e desinteressada pelo mundo que não seja virtual. É no encontro dessas três mulheres de mundos completamente diferentes que se constrói a narrativa da peça "A Ponte".

   As três personagens descrevem à perfeição seus dramas vivenciais do passado. Agnés à certa altura brada à Teresa sua irmã que a deixe falar o que sente no seu interior, já que tantas vezes interpretando papéis no teatro falou dos dramas pessoais dos personagens.

   Atrizes versáteis em cena com clara dicção, inflexões adequadas na voz ao que estão representando, gestos e expressões baseadas no texto vão num crescendo ao desfecho final.

   Na verdade estamos frente a uma peça teatral que aborda a vivência das mulheres que sobrevivem, apesar de todas as dificuldades, e que se ajudam, se fazem crescer e amadurecer.

   Na sustentação da peça bons cenários de autoria de Adriano Guimarães e Ismael Monticelli; figurinos de Ticiana Passos, iluminação incidental de Wagner Pinto.

Serviço ao leitor:

Peça teatral: A Ponte

Texto: Daniel MacIvor

Direção: Adriano Guimarães

Onde: Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo (140 lugares)

Rua Alvares Penteado, 112 - Centro

Quando:Sexta,Sáb. eSegundaàs 20h/Dom. às 18h.

Quanto custa? R$ 30

Duração: 110 min. - Drama - 

Até: 25/03

Avaliação: Excelente

Filme sobre o movimento estudantil é premiado no festival de Berlim


O filme “Espero tua (re)volta”, da diretora Eliza Capai, ganhou o Prêmio da Anistia Internacional (AI) e da Paz no Festival de Berlim neste sábado (16).

O filme, exibido na mostra Generation, fala sobre o movimento estudantil, protestos e ocupações em escolas feitas por estudantes lutando por melhorias para a educação pública.

Segundo o juri da Anistia Internacional, a obra expõe a “repressão sofrida por estudantes que procuram defender o acesso à educação livre”.

“Imaginem que seus filhos saem às ruas porque o governo quer fechar as escolas e são recebidos com bombas de gás lacrimogêneo e pancadas”, apontou a atriz austríaca Feo Aladag, do júri da AI.

O documentário também recebeu o Prêmio da Paz, que é dado pela Fundação Heinrich Böll.

Ambas distinções, a da AI e a da Paz, fazem parte dos prêmios dos júris independentes antes da cerimônia de entrega dos Ursos de Ouro.

Academia de Letras tem nova Diretoria. Inscrições abertas para o 27º Concurso Literário

(FOTO DAVIS CARVALHO)

 

A Diretoria da Academia de Letras de São João da Boa Vista para o biênio 2019/2020 já tomou posse e tem no cargo de Presidente a Acadêmica Lucelena Maia. Nos outros cargos foram empossados: Vânia Noronha (vice-presidente), Sílvia Ferrante e Nívea Poli Barbosa (Secretárias), Lauro Borges e Beatriz Castilho Pinto (Tesoureiros).

O primeiro evento de 2019 patrocinado pela Academia é o Concurso Literário de Poesia & Prosa, que tem como Patrono o Acadêmico José Rosa Costa.

O concurso tem como objetivo revelar trabalhos em poesia e prosa, inéditos; aprimorar o gosto pela arte literária e incentivar a escrita. As inscrições já estão abertas, e seguem até o dia 5 de maio, e o tema é livre, mas exige-se que seja inédito.

CATEGORIAS

Na Categoria Poesia o vencedor recebe o Prêmio Emílio Lansac Toha; na categoria Prosa o Prêmio Fábio de Carvalho Noronha; e na categoria Prêmio Espacial 3ª Idade, o Prêmio Otávio Pereira Leite.

O candidato pode se inscrever em ambas as categorias, com apenas um trabalho em cada uma delas – Prosa e Poesia.

O Concurso de 2019 tem ainda cinco faixas etárias: até 12 anos; de 13 a 18 anos; de 19 a 39 anos; de 40 a 59 anos; maiores de 60 anos.

Os trabalhos devem ser inscritos somente via correio eletrônico, pelo endereço: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..

PREMIAÇÃO

Os três primeiros classificados, de cada categoria, terão seus trabalhos publicados numa Antologia patrocinada pela Academia de Letras. O resultado será divulgado a partir do dia 12 julho de 2019 e a solenidade de premiação está marcada para o dia 31 de agosto de 2019 no Anfiteatro Estação das Artes (Largo da Estação).

Pinacoteca exibe pela primeira vez, quatro novas aquisições de seu acervo de arte contemporânea



Chance(2015-2017), da paulista Regina Parra, adquirida por meio do
programa de Patronos da Arte Contemporânea da Pinacoteca

A Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado, exibe ao público do museu, de16 de fevereiro a 17 de junho de 2019, pela primeira vez, quatro obras incorporadas recentemente à sua coleção. Com patrocínio da Água Ama, as obras deMarcius Galan, Débora Bolsoni,Regina ParraeMatheus Rocha Pittaocupam quatro salas (A, B, C e D) contíguas à exposição de longa duração no 2º andar da Pina Luz. Com curadoria do Núcleo de Pesquisa e Curadoria da Pinacoteca, o conjunto propõe um contraponto entre o histórico e o contemporâneo a partir do próprio acervo da instituição.
 
Na sala A, será apresentadaSeção diagonal (prisma fumê),2012, de autoria deMarcius Galan, que integra uma série de trabalhos nos quais o artista cria ilusões óticas a partir de intervenções em ambientes com linhas traçadas no espaço, combinadas a um jogo cromático e ao uso da luz como elemento pictórico. A obra, que foi adquirida pelo programa de Patronos da Arte Contemporânea do museu, dispõe de certa complexidade visual e estabelece um espaço ambíguo e instável, demandando uma inspeção cuidadosa por parte do espectador.

Na sala B, será expostaLição de mímese(2004-2006), de autoria da cariocaDébora Bolsoni, doada ao museu pelo Iguatemi no contexto da SP-Arte 2017. Considerado um trabalho crucial na trajetória da artista, é composto de várias lousas recortadas em diferentes formatos e emolduradas em madeira, à semelhança de espelhos. Esses espelhos que nada refletem, podem, no entanto, receber desenhos riscados com giz, o que traz à discussão o efeito mimético da arte e sua capacidade de duplicar a realidade.

Chance(2015-2017), da paulistaRegina Parra, adquirida também por meio do programa de Patronos da Arte Contemporânea, chegou a ser instalada em meio à Mata Atlântica do Parque Laje e no Parque do Ibirapuera, e agora é exibida na sala C. O trabalho, o primeiro que o museu adquire da artista, traz a frase “A grande chance” em neon vermelho, e apresenta-se como um portal ambíguo podendo tanto ser interpretado como uma promessa quanto uma ameaça. 

E, por fim, na sala D, o mineiroMatheus Rocha Pittaapresenta a instalação interativa composta de cubos de concretoPrimeira pedra(2015-2016), doada ao museu pelo próprio artista e pela galeria que o representa. Com tamanho ideal para acomodar-se em uma mão e dispostos no chão do espaço sobre folhas de jornal do dia anterior, os cubos são oferecidos ao público não por dinheiro, mas por uma outra pedra: para possui-los, o visitante deve sair do museu e trazer a primeira pedra que encontrar.
 
A obra radicaliza o conceito de múltiplo no qual cada peça poderá ser levada pelo visitante como obra para casa, afirmando-se, dessa forma, um vínculo entre o museu e a cidade por meio do gesto de cada indivíduo. Também serão exibidas quatro obras da sérieAcordo, que é constituída de lajes que trazem um arquivo de fotografias recortadas de jornais, retratando pessoas performando acordos – gestos como apertos de mão, abraços, beijos. 
 
.

Ano Novo Chinês na Liberdade dá boas vindas ao Ano do Porco



Demonstração de casamento tradicional chinês faz parte da programação pela primeira vez

 

Entre os dias 9 e 10 de fevereiro (sábado e domingo) a cidade de São Paulo irá dar boas-vindas a mais uma edição do Ano Novo Chinês na Praça da Liberdade, em São Paulo. O evento é gratuito e conta com a coordenação da Associação de Amizade Brasil-China juntamente com a Prefeitura de São Paulo . Milhares de pessoas irão comemorar a chegada do ano do Porco da Terra, um período regido pela abundância e pela felicidade que, de acordo com a previsão, promoverá mudanças significativas para todo o mundo. A passagem do Ano do Coelho para o Ano do Porco contará com  a presença dos respectivos animais para demonstrar de forma mais real o significado da simbologia e a importância dos animais durante durantes as festividades do Ano Novo Chinês

A tradicional festa já faz parte do calendário cultural da cidade e reunirá em dois dias de evento apresentações especiais de música, lutas marciais, danças como as do Leão e do Dragão, workshops de origami e de caligrafia chinesa além de barracas de artesanato e de comidas típicas. 


Outra  atração confirmada e inédita  será a demonstração de um casamento tradicional chinês à moda antiga que irá acontecer no palco durante a programação e promete atrair  a atenção dos
 visitantes e participantes das comemorações.

Todas as atrações da festa são gratuitas. No sábado, dia 9, e no domingo, o evento  acontece das 10 às 20h00, e oferece ao visitante também barracas com comidas e bebidas típicas.

Ano Novo Chinês

Popularmente conhecido como “Festival da Primavera” e “Ano Novo Lunar”, o Ano Novo Chinês acontece originalmente na primavera e é datado com base no calendário lunar chinês.  Cada ano é dedicado a um animal do zodíaco chinês e a comemoração só termina no 15º dia do mês, quando acontece a Festa das Lanternas

O espetáculo "Galinha Pintadinha e a Fabulosa Trupe" chega à cidade de São Paulo


Os shows acontecem no Teatro Dr. Botica, nos dias 2, 3, 9 e10 de fevereiro

A Galinha Pintadinha, personagem mais carismática do Brasil, desembarca em São Paulo (SP) para mais um show oficial "Galinha Pintadinha e a Fabulosa Trupe". A atração acontecerá no Teatro Dr. Botica, no Shopping Metrô Tatuapé, nos dia 2, 3, 9 e10 de fevereiro, com apresentações às 14h30 e 17h30.

Dessa vez, as crianças vão se divertir com a história de uma trupe que viaja pelo Brasil com o seu Carrinho de Histórias. Por meio dele, os pequenos embarcam em uma jornada de música, luzes e cores, no universo encantado da Galinha Pintadinha.

Tudo começa quando o Pintinho, fugindo do Gavião, acaba se perdendo da Galinha Pintadinha e do Galo Carijó. Assim se inicia a fabulosa aventura para encontrar seus pais, com a ajuda dos amigos da Popó. Um espetáculo para curtir, cantar e dançar em família, ao som dos sucessos do cancioneiro infantil, em uma mistura de linguagens visuais em vídeo, luzes, efeitos especiais e tecnologia.

Artistas de renome

Com roteiro e direção de Marcos Luporini e Juliano Prado, os criadores da série original, a nova produção agrega outros artistas especialistas em fantoches e figurinos, como Jésus Sêda, que já trabalhou nas principais emissoras de televisão do país, desenvolvendo personagens do"Castelo Rá-Tim-Bum"e"Cocoricó". Também entra para este timeQuiá Rodrigues, que dá vida aos"Cavalinhos do Fantástico"e, no passado, trabalhou na"TV Colosso"da Rede Globo, incluindo também a parceria com Xuxa Meneghel em vários DVDs do"Xuxa só para baixinhos".

Festival das Lanternas e Ano Novo Chinês no Parque do Ibirapuera

(Arquivo - Foto William Wset/AFP)

O Parque do Ibirapuera, na zona sul da capital paulista, será o palco da grande festa de encerramento das comemorações do Ano Novo Chinês, em 16 de fevereiro, celebrando o Ano do Porco. O ponto alto das comemorações será o show da banda chinesa de pop rock Penicillin, que se apresentará pela primeira vez no Brasil durante o festival, às 20h, na área de eventos em frente ao Planetário do Ibirapuera. O evento é realizado pelo Instituto Confúcio na Unesp pela quarta vez em São Paulo.

A banda Penicillin nasceu na China nos anos 90, com um estilo que reúne o melhor do rock romântico e da música pop. É uma das bandas mais admiradas pelos jovens e amantes do estilo musical. Suas músicas estão presentes nas programações das emissoras de rádio chinesas e nas pistas de dança das casas noturnas daquele país.

Seguindo a tradição chinesa, além do show, a comemoração será muito festiva e contará com danças típicas, desfile do dragão e do leão, apresentações de danças folclóricas, além de artes marciais e atividades culturais para a família ao longo do dia. A programação cultural começa às 10h e, a partir das 15h, serão iniciadas as apresentações artísticas no palco, encerradas com o show da banda Penicillin.

Como parte da celebração, haverá também oficinas sobre a língua e cultura chinesas, caligrafia, aulas demonstrativas de chinês e desfile de trajes típicos.

No já tradicional Festival das Lanternas, centenas de lanternas chinesas serão colocadas na área de eventos do parque, em frente ao planetário. Por questão de segurança e responsabilidade ambiental, as várias lanternas do festival --de diferentes tamanhos e formatos-- serão presas a uma estrutura de "box truss", iluminando a área com lâmpadas de LED, deixando o ambiente mais colorido.

As atividades do Instituto Confúcio compreendem, além do ensino do mandarim, a divulgação da cultura chinesa e o fortalecimento do intercâmbio cultural entre o Brasil e a China. Na Unesp, o instituto, instituição ligada ao Mi­nistério da Educação da China, tem hoje cerca de 2 mil alunos matriculados nos cursos ofer­tados. As atividades são oferecidas em 13 câmpus e em uma sala aberta em São Luís, capital do Maranhão. A parceira acadêmica chinesa da Unesp no convênio é a Univer­sidade de Hubei.

Serviço
O quê? Festival das Lanternas / Ano Novo Chinês 
Onde? Parque do Ibirapuera: Av. Pedro Álvares Cabral, Vila Mariana, São Paulo-SP - área de eventos em frente ao planetário
Quando? 16 de fevereiro de 2019, a partir das 10h, com oficinas de artesanato e atividades culturais nas tendas; a partir das 15h, início das apresentações artísticas

Principais atrações
Desfile das Roupas Chinesas
Dança Leões e Dragão
Show da banda Penicillin
Artes marciais e oficinas culturais
Oficinas de mandarim

“Jardim das Cerejeiras”, do autor russo Anton Tchechov, conquista público e crítica

Foto Ronaldo Guitierrez

 

Anton Tcheckov (1860-1904) em sua carreira como dramaturgo criou quatro clássicos, e seus contos tem sido aclamados no mundo inteiro.

O “Jardim das Cerejeiras” (1904), peça teatral de sua autoria, está em cartaz no Teatro Aliança Francesa e representou um desafio para o renomado diretor Eduardo Tolentino de Araujo e atores, bem como para o público, porque em lugar de uma atuação convencional Tcheckov oferece "teatro de humores" e "uma vida submersa no texto".

A originalidade do “Jardim das Cerejeiras” reside no uso continuo da técnica do fluxo de consciência, além da rejeição do propósito moral presente na estrutura das obras tradicionais.

O texto encenado é absolutamente primoroso por contar com uma direção segura, e um elenco de envergadura profissional, deixando a impressão de uma consumada obra-prima teatral.

Uma comédia dividida em quatro atos, contando as peripécias de uma família aristocrática em decadência, que resiste em vender seu Jardim de Cerejeiras ao qual atribui valor afetivo, apesar de improdutivo nos últimos tempos. Um abastado homem de negócios chega para tentar adquirir a propriedade, pretendendo transformá-la em balneário para veranistas, de olho no potencial turístico.

O Grupo TAPA em 1998 ao completar vinte anos de sucessos teatrais, escolheu Ivanov, primeiro texto do autor russo, e agora encena sua obra monumental para celebrar a maturidade do grupo.

Eduardo Tolentino de Araujo possui uma trajetória como consumado diretor que o coloca como um dos mais eficientes e produtivos artesões da cena teatral brasileira. Segundo ele a encenação foi um desafio, pois povoava seus sonhos, sempre à espera da maturidade para que pudesse dar conta da tarefa. Fechou um ciclo conseguindo sobrepor o amadurecimento de um autor com um grupo de teatro.

É urgente, pois a vida passa como um átimo, disse, com a brevidade de um sensível criador artístico, sobejamente comprovado por magníficas encenações, que acumularam 80 prêmios da crítica especializada. 

Eduardo Tolentino de Araujo possui 39 anos de carreira. Fundador e diretor do Grupo Tapa, tendo 50 direções teatrais.

O elenco, sem radicalizar pode ser considerado a fina flor do teatro brasileiro. Na criação de seus personagens demonstrou a consumação da arte da representação, nascida no teatro grego. Homogeneidade atinente a clara dicção, marcação em cena, e exuberância gestual leva o espectador a convicção de estar frente a um dos mais promissores trabalhos em cena. O Grupo TAPA conta com atores que aprenderam as mais perfeitas técnicas da arte da representação teatral através de acurada direção artística de Eduardo Tolentino de Araujo.

Da mesma forma que o saudoso diretor sueco Ingmar Bergman criou artisticamente suas famosas atrizes Liv Ulmann, Bibi Anderson, Ingrid Thulin, e o ator Max Von Sidow para grandes interpretações, o diretor brasileiro Eduardo Tolentino de Araujo com esmero fez o mesmo com seus atores que estão com ele há mais de trinta anos.

Podemos acrescentar uma frase célebre "This play is starred by a cast that reinterpret Garden of Cherry Trees perfectly in theTcheckov story" (Esta peça é protagonizada por um elenco que reinterpreta perfeitamente a história de Tcheckov.)

 Supremos momentos são vistos como no quarto ato da peça as evoluções flutuantes dos atores em um estado onírico. Um cenário despido de necessidades reflete a sombra das árvores das cerejeiras. A luz que reveste a encenação, o figurino da época, o falar e o gestual nos levam à um passado que expõe a decadência da aristocracia russa.

O comprador da área pobre na infância, abonado na meia-idade simboliza o estúpido burguês ávido por dinheiro; o jovem e eterno estudante com idéias socialistas, nos leva ao caminho do comunismo.

Texto, cenário, figurinos, luz incidental, música funcional, regência de cena fazem da peça Jardim das Cerejeiras uma agradável surpresa neste início do ano no âmbito teatral.

 Ao final o público em pé ovacionou a representação por longo tempo.

Serviço:

Jardim das Cerejeiras

Autor: Anton Tcheckov

Direção: Eduardo Tolentino de Araujo

Onde: Teatro Aliança Francesa

R. General Jardim, 182, Vila Buarque - SP

Tel. 11 3672-2379

Hor. de 5a. à Sáb. às 20,30 horas, Dom. 19h.

Avaliação: Excelente

Até: 25/02

Projeto Batuque Sinfônico na esquina da Ipiranga com a São João

 (foto Dayilym Dourado)

Evento integra a programação do aniversário da capital paulista

O Grupo Quabales, de jovens percussionistas da Bahia e o maestro Marcelo Ghelfi acompanhado de orquestra participam do Projeto Batuque Sinfônico, neste dia 25, como parte da Programação Oficial Cultural do Aniversário de São Paulo, na esquina mais famosa da cidade: a Ipiranga com a São João, aberta ao público e, a partir das 16h. Durante o show, acontece o encontro de Silva e Saulo. Esta apresentação acontece através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, Copagáz e Açúcar Guarani.

O Projeto Batuque Sinfônico traz a mistura de novos ritmos combinando a música erudita e muito batuque. O projeto organizou esta apresentação de uma Orquestra Sinfônica Jovem com um grupo de percussão de forma gratuita na cidade. Ele também oferece seis vagas de estágio em organização de eventos para jovens frequentadores de projetos artístico-sociais paulistanos.

O maestro Marcelo Ghelfi, que também atua como pianista da Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo, coordenou a montagem de uma orquestra especial para este projeto. Entre eles, estarão jovens músicos que tem se destacado em seus meios. O Grupo Quabales traz o batuque para entrar nesta parceria. Formado por jovens percussionistas que fazem parte do projeto artístico-social de Salvador, idealizado por Marivaldo dos Santos, músico, compositor, performer que atua também no show STOMP na cidade de Nova York, em cartaz desde 1994.

Silva e Saulo foram convidados a fazer uma participação especial e apresentar ao público de São Paulo esta parceria que tem sido comemorada. Silva é cantor, compositor e músico multi-instrumentista nascido em Vitória que lançou seu primeiro álbum em 2012. Está em turnê com o mais recente, Brasileiro e já foi indicado e vencedor do prêmio Multishow, levou também o APCA e o Melhor do Itunes. Em 2017, recebeu duas indicações ao Grammy Latino. Saulo Fernandes, baiano, comandou por 11 anos a Banda Eva e, em 2013, começou sua carreira solo.

SERVIÇO

Projeto Batuque Sinfônico
Data:
 25 de janeiro
Horário: a partir das 16h
Local: Esquina das avenidas Ipiranga com a São João
Aberto ao público