Ter08162022

Last update04:49:39 PM

Back Você está aqui: Home :: Mais +++ Artigos Descrença e fé

Artigos

Descrença e fé

 

Eis que eu em meu idealismo infante, 

Dia acreditei que a boa vontade tudo resolveria. 

Quão tolo sou eu, não perceber, 

Que esta acaba apenas refém da astúcia. 

Não me ater que o ideal será refém do oportunista. 

Tolo sou eu que imaginei a possibilidade da verdade, 

Ora a mentira em sua astúcia finge ser e tem muito mais efeito. 

Tolo, e ainda assim tolo convicto, pois que me faltou malícia. 

Malícia que não sei se quero ter,  

Embora ser de feito de trouxa não ser meu objetivo. 

Mas o que ser então? 

Como já disse grande poeta: um fingidor.  

Pois que para preservar que suponho ser verdade, 

Se faz necessário conviver com os adeptos da mentira. 

Cansado estou,  

E meus dias já vão além do que imaginei chegar, 

Estranho minha própria idade,  

Estranho a mim cada vez mais. 

Pois embora reconheça-me parte  

Eu não estou por inteiro, 

Pois que alieno de mim o necessário, 

Mas a parte de mim que é rebelião, 

Grito eu em meu próprio silêncio, 

Não quero ser ouvido,  

Mas apenas constatar se ainda existo. 

Nisto sou alegre e triste, 

E por isto a melancolia é sempre boa amiga. 

É custoso ser feliz,  

É exaustivo ser triste,  

Assim, nem plenitudes e nem amarguras. 

Melhor do que um vinho doce ou amargo, 

Será sempre um copo de água limpa. 

E eu que tenho sede as vezes a esqueço. 

É cansativo ter sede,  

É tedioso estes tantos quereres. 

Vejo neste momento que vida e morte se contemplam, 

Estes dois velhos titãs que brincam com a humanidade. 

Sim, a humanidade e suas tolas ilusões, 

Eu que me finjo iludido, não me iludo. 

Apenas aprendo a me calar,  

Com uma esperança tropega e cambaleante, 

Enebriada por um propósito maior,  

Vivo cada um de meus dias, 

Pois que devem ser vividos. 

Por quê? Ora, sei lá! 

A resposta necessita de um propósito, 

Eis que vivo a buscar sem sucesso  

Entre a fé e a razão. 

Se encontro?  

Em parte, sim,  

Em parte, acho que nunca saberei, 

Mas eis que aqui é um avanço, 

Pois se digo que sei saber o quanto ignoro 

Imagino isto passo para ter alguma sabedoria, 

E eu? Bem pouco sei.