Sab06232018

Last update09:58:13 AM

 


Back Você está aqui: Home Mundo Governo da Colômbia e ELN anunciam retomada das negociações de paz

Mundo

Governo da Colômbia e ELN anunciam retomada das negociações de paz



Governo e ELN voltarão às mesas de negociação (foto Juan Manuel Santos/Twitter)


O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou nesta segunda-feira (12/03) que o governo vai retomar as negociações com o grupo guerrilheiro Exército de Libertação Nacional, que estavam suspensas desde janeiro. O grupo também confirmou a volta das conversas.

“Necessitamos falar, dialogar, negociar. E é isso que estou autorizando hoje: que se retomem as conversas”, disse Santos, em pronunciamento no Palácio de Nariño, sede do governo. “O objetivo é avançar na discussão e nos acordos sobre os pontos que se estavam debatendo simultaneamente: o da participação cidadã e o das ações e gestos humanitários que devem ser dados para construir a paz.”

De acordo com o comando central do grupo, “agora que o governo de Santos decidiu retornar à mesa de diálogos, se iniciará em Quito o quinto ciclo de conversações, que estava pactuado para começar no último dia 9 de janeiro – mesmo dia em que terminou o histórico cessar-fogo bilateral de 101 dias de duração”.

“Atenderemos ao chamado do presidente Santos para reiniciar as conversas, com a convicção de que é melhor fazer o diálogo em meio a um cessar-fogo bilateral, e que há que se desenvolver a agenda pactuada com rigorosidade e celeridade”, disse.

Segundo Santos, desde que interrupção dos conflitos foi suspensa, “foram muitos os mortos de lado a lado, muitos os feridos, muitas as vítimas. Isso é o que devemos parar”.

Eleições

O anúncio do presidente colombiano ocorre logo depois das eleições legislativas deste domingo (11/03) e também após o ELN ter decretado um cessar-fogo unilateral durante o período de votação. De acordo com Santos, “gestos” como o cessar-fogo unilateral dão “confiança” a Bogotá para continuar as negociações.

A retomada das negociações vem, também, após muita pressão do grupo, de movimentos sociais e do governo do Equador – país onde ocorrem as conversas – para que isso ocorresse.