Sab09212019

Last update03:26:56 PM

Copyright © 2019 Gazeta de São João. Todos os direitos reservados.
Designed by JoomlArt.com.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

 


Back Você está aqui: Home Mundo Ministra alemã da Agricultura ameaça suspender acordo UE-Mercosul

Mundo

Ministra alemã da Agricultura ameaça suspender acordo UE-Mercosul

A ministra alemã da Agricultura, Julia Klöckner, ameaçou impor consequências ao Brasil em razão das queimadas na Floresta Amazônica, incluindo rever o apoio da Alemanha à ratificação do acordo entre a União Europeia (UE) e o Mercosul.

“O Brasil se comprometeu com o manejo florestal sustentável quando fechou o acordo com o Mercosul. Se o país não cumprir essa obrigação, não assistiremos a isso passivamente”, afirmou Klöckner em entrevista ao jornal alemão Die Welt publicada nesta quarta-feira (28/9).

A ministra lembrou que o acordo entre os blocos econômicos da Europa e da América do Sul possui um “capítulo de sustentabilidade com regulamentos obrigatórios”. “Se estes não forem cumpridos, as reduções alfandegárias acordadas não poderão existir”, alertou. “Trata-se também da nossa credibilidade.”

Klöckner disse ainda que conversará sobre a questão com a ministra brasileira da Agricultura, Tereza Cristina, durante sua visita à Alemanha. “Precisamos ajudar o Brasil e outros países a combater o desmatamento e a implementar uma produção agrícola sustentável”, afirmou.

O ministro alemão do Exterior, Heiko Maas, pediu ao Brasil que tome medidas mais vigorosas no combate às queimadas na Amazônia e ofereceu ajuda ao chanceler brasileiro, Ernesto Araújo. Em um encontro com diplomatas em Berlim, Maas também ressaltou que o Brasil deve ser lembrado das promessas feitas à UE durante a conclusão do acordo com o Mercosul, como a de proteger as florestas tropicais.

“Talvez não devêssemos ficar calados nestes dias atuais”, afirmou, referindo-se às declarações da França e da Irlanda a favor da suspensão do acordo comercial com os sul-americanos. As declarações de Klöckner e Maas podem sinalizar uma mudança no posicionamento do governo alemão em relação ao pacto de livre-comércio. Na semana passada, Berlim se pronunciou contra a suspensão do acordo.

“A não ratificação do acordo com o Mercosul não contribuirá para reduzir o desmatamento na Amazônia”, afirmou um porta-voz do governo alemão, mencionando o capítulo de regulamentos vinculativos para a proteção climática. Ele disse que, na visão da Alemanha, um boicote ao pacto não seria uma “resposta adequada” aos incêndios florestais no Brasil.

O tema também tem sido notícia nos veículos da imprensa alemã, que afirmam que o governo brasileiro não dedica esforços suficientes para combater as queimadas e questionam as ligações  do presidente Jair Bolsonaro com o agronegócio.

O acordo UE-Mercosul foi fechado em junho, à época da cúpula do G20 no Japão, após 20 anos de negociações. Os parlamentos de todos os países-membros do bloco europeu ainda precisam ratificar o pacto, mas os governos parecem divididos em relação à questão.

(As informações são daDeutsche Welle).