Mundo

China, Japão, Coreia, Suíça, França, Nigéria, Itália: países tomam medidas drásticas contra propagação do coronavírus


O rápido avanço do coronavírus covid-19 pelo mundo leva vários países tomarem medidas drásticas para evitar a propagação. O Japão decidiu fechar suas escolas públicas por quase dois meses e a Arábia Saudita não receberá mais muçulmanos em Meca e na mesquita de Medina para a tradicional peregrinação.

O complexo de parques temáticos Tóquio Disneyland e Tóquio Disney Sea, nos subúrbios da capital japonesa, permanecerá fechado durante duas semanas diante da propagação do novo coronavírus, anunciou o operador nesta sexta-feira.

No total, 40 países - entre eles o Brasil - registraram casos, num total de cerca de 81 mil infecções.  Na Coreia do Sul, 571 novos casos foram notificados em 24 horas. No Irã - país mais atingido pela doença no Oriente Médio - foram anunciadas 106 novas contaminações.

A Nigéria anunciou seu primeiro caso da doença na última sexta-feira, dia em que também foram confirmadas  duas pessoas contaminadas em todo continente africano: um no Egito e outro na Argélia.

Na Itália, principal foco da epidemia na Europa, o número de casos passou para 650 na sexta-feira, contra 400 na véspera. No total, 17 pessoas já morreram no país.

A Suíça anunciou que todos os eventos públicos que reúnam mais de mil pessoas estão proibidos até 15 de março. Desde terça-feira (25/02), o país já anunciou 15 contaminados pelo Covid-19.

38 infectados na França

Na França, o número de contaminações passou na noite de quinta-feira para 38. Segundo o ministro da Saúde, Olivier Véran, 12 pacientes estão curados, 24 estão hospitalizados e dois morreram - um deles não tinha viajado para áreas de risco nem tido contato com uma pessoa contaminada. Isso significa que houve transmissão local e o vírus agora circula no país.

A região de Oise, perto do Paris, de onde era oringinário o professor francês que faleceu na quarta-feira (26), registrou 12 contaminações. As autoridades sanitárias continuam buscando o chamado "paciente zero", ou seja, primeiro a contrair a doença no território..

Segundo o ministro da Educação francês, Jean-Michel Blanquer, 2.000 estudantes não voltaram para a escola das férias de inverno, neste mês de fevereiro, porque estiveram em zonas de risco. Muitos assalariados estão trabalhando em casa por medidas de prevenção.

Os organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 não consideram o cancelamento ou o adiamento do evento devido ao surto de coronavírus, caso não haja recomendação da OMS ou outro órgão regulador, declarou o Comitê Olímpico Internacional (COI) na quinta-feira.