Sex08072020

Last update04:09:06 PM

 

Back Você está aqui: Home São João

São João

Sorteios de casas populares cancelados tem nova data de habilitação dos inscritos


A Prefeitura de São João da Boa Vista comunicou o cancelamento do sorteio de casas populares dos futuros conjuntos habitacionais Jardim Nova União e Jardim Guiomar Novaes, realizado no dia 22 de março de 2020. O motivo do cancelamento foi a constatação de falhas numa das urnas, a que continha as papeletas dos inscritos para as casas do Jardim Nova União.

Segundo a Prefeitura, quando foi realizada a impressão das papeletas, o sistema reproduziu 35 inscrições em duplicidade, o que ocasionou que 419 famílias concorressem, involuntariamente, com duas papeletas, enquanto que as demais famílias concorreram com uma.

A Prefeitura Municipal informou ainda que o fato prejudicou a “condição de igualdade que sempre procuramos pautar. Consultamos a legislação pertinente e nos ficou claro que tínhamos que cancelar todo o sorteio, embora na urna do Jardim Guiomar Novaes nada de irregular tenha sido encontrado.”

NOVOS SORTEIOS

A Prefeitura Municipal já marcou os novos sorteios:

- 1º de Junho – titulares do Jardim Nova União

- 3 de Junho – titulares do Jardim Guiomar Novaes

- 5 de Junho – suplentes do Jardim Nova União

- 8 de Junho – suplentes do Jardim Guiomar Novaes

As famílias que têm pelo menos um membro portador de uma deficiência física séria continuarão tendo as vagas asseguradas nesses dois conjuntos habitacionais.

Os sorteios serão realizados nas dependências da Prefeitura Municipal (prédio da Rua Marechal Deodoro) e com a presença de agentes fiscalizadores - autoridades especialmente convidadas.

Os sorteios serão transmitidos pelo facebook e pelo youtube, e começarão às 19h00 em todos os dias marcados, e o resultado publicado no site oficial do município.

Ginásio Poliesportivo da EMEB Germano Cassiolato está concluído

Unidade escolar conta com quase 400 alunos nos ensinos infantil e fundamental

 

Assim que retornarem do período de isolamento social, alunos da Escola Municipal de Ensino Básico (EMEB) Professor Germano Cassiolato, no Jardim Guanabara, terão acesso ao novo ginásio poliesportivo construído pela Prefeitura de São João da Boa Vista.

O ginásio reúne 1.170 m² de área construída, com arquibancadas que oferecem acomodação para 230 lugares.  Vestiários, bebedouros e telas de proteção integram a estrutura.

Na quadra, serão possíveis as práticas das modalidades de basquete, futsal e vôlei, bem como outras atividades recreativas para os alunos. A diretora do Departamento Municipal de Educação, Maria Helena Angelini Santana, afirma que construção do equipamento permitirá a ampliação do sistema de Período Integral, que é quando as crianças permanecem o dia todo na unidade escolar.  

“O espaço desta quadra também poderá ser utilizado pela comunidade, diante do consentimento da diretora da escola e mediante a um termo de responsabilidade assinado por um responsável para garantir a proteção do patrimônio público”, explica Maria Helena.

Em março deste ano, a administração municipal já havia concluído outro ginásio do mesmo padrão na EMEB Prof. João Batista Scannapieco, no Jardim Durval Nicolau.

Estrutura da unidade

A EMEB Germano Cassiolato, localizada à rua David de Carvalho, próximo à Estrada Serra da Paulista. Com 36 anos de história, a unidade escolar conta atualmente com quase 400 alunos distribuídos nos ensinos infantil e fundamental. O prédio engloba 12 salas de aulas, auditório, pátio coberto e laboratório de informática.  

Galerias de águas pluviais são construídas no Santo Antonio

Obras são realizadas com recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos

Para diminuir riscos de danos ao pavimento asfáltico da rua Coronel José Procópio, no Bairro Santo Antonio, devido à quantidade expressiva de água que passa pela tubulação em períodos de chuva, a Prefeitura de São João da Boa Vista providenciou serviços de infraestrutura na parte subterrânea da via pública.

Ao todo, são mais de 600 metros de tubos que formam as novas galerias de águas pluviais, com obras, executadas por empresa contratada pela Prefeitura de São João. As benfeitorias estão avaliadas em R$ 380 mil, com a maioria dos recursos vinda do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FEHIDRO), mais o restante como contrapartida dos cofres públicos municipais.

“É um bairro com topografia diferenciada, com muitas ruas íngremes e vales que recebem água com muita intensidade. Essa é uma forma uma forma que a gente está trabalhando preventivamente para tentar diminuir os problemas”, afirma o engenheiro Julio Luís de Almeida Lino, diretor municipal de Gestão e Planejamento Urbano. Os serviços executados também ajudam a evitar que as residências do local sejam atingidas em períodos intensos de chuvas. 

Violência sexual contra crianças e adolescentes ainda é tabu

 

A informação e a denúncia são as principais formas de reduzir os casos

Na segunda-feira, dia 18 de maio é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A proposta é mobilizar, sensibilizar, informar e convocar toda a sociedade a participar da luta em defesa dos direitos sexuais de crianças e adolescentes. É preciso garantir a toda criança e adolescente o direito ao desenvolvimento de sua sexualidade de forma segura e protegida, livres do abuso e da exploração sexual.

No Brasil, o Disque 100 registra de forma anônima as denúncias de abusos contra crianças. Segundo as últimas estatísticas divulgadas, o serviço registrou mais de 200 mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes no período de 2011 a 2017. Os dados apontam ainda que: 92% das vítimas são meninas; 51% das vítimas são negras; 40% das vítimas têm entre 10 a 14 anos; 21% de 1 a 5 anos; 19% de 6 a 9 anos; 19%, de 15 a 19 anos; 54% dos agressores são familiares da vítima (pais, mães, tios, avós); 88% dos agressores são homens. A estimativa do Ministério da Saúde é que cerca de 27 crianças e adolescentes de 10 a 19 anos são abusadas por dia, mas sem que haja denúncia ou atendimento.

Em São João da Boa Vista

Segundo dados do CREAS do Município de São João, no período de 2018 e até março de 2020 foram registrados 166 casos de abuso sexual a crianças e adolescentes, sendo que 87% as vítimas são meninas e 13% meninos. Em média são seis casos por semana. As vítimas por faixa etária estão divididas assim: 29%, de 2 a 5 anos; 26% de 6 a 9 anos; 33% de 10 a 14 anos; 12% de 15 a 18 anos. Na grande maioria dos casos, os agressores são parentes das vítimas como avô, padrasto, irmão, tio, pai e em menor proporção, pessoas próximas, como professor, amigos, namorado da mãe.

Formas de prevenção

A sociedade pode ajudar a diminuir estes números simplesmente não se omitindo. A omissão é a principal causa do abuso sexual a crianças e adolescentes. É preciso não se omitir quanto a falar sobre o tema que ainda é um tabu para a maioria das pessoas. Famílias, escolas, igrejas e outros locais de convivência devem orientar as crianças quanto as práticas abusivas de adultos.

Outra forma de ajudar é não se omitir e denunciar os casos de abusos ou as suspeitas. O Disque 100 é uma forma segura para alertar as autoridades nos casos onde crianças e adolescentes tenham seus direitos privados. A denúncia será apurada pelo Conselho Tutelar e não terá o envolvimento do denunciante. Mas é importante que o denunciante tenha em mãos nomes e endereços dos envolvidos para que haja consistência na denúncia.

É também importante saber ouvir a criança e estar atento aos sinais de possível abuso sexual, como: mudança de comportamento (fazer algo que não fazia ou deixar de fazer algo habitual); proximidade excessiva a um membro da família; regressão de comportamento (volta a apresentar comportamentos de idade anterior, como fazer xixi na cama ou chupar o dedo); segredos com pessoas mais velhas; referências incomuns à sexualidade (desenhos, perguntas, piadas); sinais físicos (hematomas, sangramentos, lesões).

Consumo de álcool durante lives chama atenção do CONAR

Em meio ao cenário de quarentena, artistas de todo o mundo têm realizado apresentações ao vivo nas redes sociais, como forma de apoiar o distanciamento social e estimular a arrecadação de recursos e suprimentos, destinados a instituições de amparo aos mais carentes e vulneráveis. 

No Brasil, entretanto, algumas lives estão sendo utilizadas como estratégia publicitária para a divulgação de bebidas alcoólicas, como acorreu com o cantor Gusttavo Lima. Depois dos shows "Live Gusttavo Lima - Buteco em Casa" e "Buteco Bohemia em Casa", o artista foi alvo de uma série de denúncias.  O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (CONAR) está atento e já apresentou representação contra a ação publicitária.

Segundo a jornalista e publicitária Isabel Braga, também docente da UNIFAE, para entender o motivo da ocorrência, é necessário conhecer o propósito do CONAR: “Cabe a ele implementar e fiscalizar a produção e veiculação da publicidade, que deve estar de acordo com as normas éticas e respeitar o Código em relação a sua veiculação: formato, mídia e público-alvo. Caso identifique violação dos termos, há a aplicação de notificações e a ação publicitária pode ser, inclusive, suspensa”.

Ao pensar o contexto específico da publicidade nas lives, Isabel acredita que a experiência da entrega online de produtos e serviços, acelerada pela pandemia, já traz contribuições importantes: “A grande audiência demanda uma experiência de consumo acolhedora e sem excessos. Penso que a publicidade atual e seus desdobramentos futuros precisam de qualidade criativa, preparo das marcas e de seus porta-vozes, bem como do próprio consumidor, diante de um novo cenário”.

A docente ainda completa: “É importante pontuar que a discussão não é sobre a iniciativa das lives, seja para entretenimento ou ação social, mas sim sobre a forma com que a propaganda das bebidas está impactando o público, formado inclusive por crianças. Seja fruto de denúncia de consumidores, da própria monitoria do Conar ou de autoridades, o que entra em questão é a forma como a publicidade é feita. No caso das bebidas alcoólicas é preciso, por exemplo, divulgar que o consumo deve ser feito com moderação. As regras também envolvem a forma como a marca é exibida.”

Os novos tempos exigem empresas criativas e flexíveis

Há quem diga que depois da pandemia do Covid-19 o mundo nunca mais será o mesmo, ainda que neste momento não se saiba exatamente o que isso significa. De fato, o que a história nos ensina é que os momentos de crise sempre são uma oportunidade para o surgimento de novos negócios e a implantação de estratégias criativas que, ao levar em conta as transformações do mercado e o comportamento do consumidor, conseguem ser bem sucedidos. 

Segundo o Prof. Luiz Pascoal Belmonte, coordenador do curso de Administração da UNIFAE, os novos dias são um desafio para os empresários, que precisam desenvolver virtudes, como  paciência, tranquilidade e calma, bem como habilidades de diálogo e negociação, tanto agora  quanto depois da pandemia: “Todos nós - empresários e autônomos - temos nossos clientes e fornecedores internos e externos. Então, o primeiro ponto que enfatizo é a negociação. O segundo ponto, é a capacidade de adaptação, flexibilidade e resiliência, pensando em como podemos nos encaixar ou entrar neste novo circuito. O terceiro ponto, é ter em mente o mercado futuro, é preciso imaginar o que nós faremos. Já existem pessoas vendendo, comprando e negociando para o futuro, e isto preserva o relacionamento fornecedor-cliente, um elemento essencial para todo negócio.”

O administrador destaca ainda que uma questão crucial nesta etapa é a reflexão sobre como as empresas e profissionais autônomos estão usando o Marketing para se manter no mercado: “Cada vez mais trabalhamos com mídias sociais, como Facebook e Instagram, e o uso das redes cresceu nesta situação, tanto para realizar contatos quanto vendas. Então, é preciso analisar a atuação da empresa neste novo cenário. Ninguém pode parar! É necessário repensar os meios e formas de entregar o que o cliente necessita, logística, relacionamento, formas de pagamento, lembrando que precisa haver uma revisão do orçamento, que sofreu impacto significativo.”

É fato que a economia vai demorar a se estabilizar novamente e ainda não temos uma previsão de quanto tempo isto vai levar. Portanto, o foco tem de ser o aqui e agora: “O compromisso tem de ser com o presente, alinhado com o planejamento para o futuro, sempre usando o diálogo e a tranquilidade na negociação, que é a base para a preservação dos negócios”, conclui o Prof. Pascoal.

Campanha de arrecadação terá plantão neste final de semana


No sábado e domingo (25 e 26) acontece um plantão de arrecadação de donativos para as famílias impactadas pela crise econômica gerada pelo coronavírus. A ação faz parte da Campanha “É Sua Hora De Lutar - SJBV x Coronavírus” da Prefeitura Municipal e ACE. No sábado e domingo, das 8 às 17h00, as doações podem ser entregues em sistema Drive Thru na Estação das Artes, no Largo da Estação.

São acietas doações de alimentos não perecíveis, produtos de limpeza e itens de higiene. E as principais necessidades são: arroz, feijão, açúcar cristal, pó de café, fubá, farinha de trigo, farinha de milho, macarrão, macarrão para sopa, sal refinado, óleo de soja, sardinha em óleo, bolacha maisena, leite em pó integral, extrato de tomate, sabão em barra, papel higiênico, creme dental e sabonetes.

Até o momento foram arrecadadas cerca de 6 toneladas de alimentos, produtos de higiene e limpeza. O departamento de Assistência Social informou que durante essa semana houve um aumento de 700% na procura para receber esses alimentos. Já foram entregues mais de 300 cestas básicas no perído de 23 de março a 23 de abril. Normalmente o Departamento de Assistência Social da Prefeitura Municipal entrega em torno de 40 a 50 cestas por mês, para famílias em situação de risco.

Os donativos nos outros dias da semana podem ser feitos diretamente nos supermercados participantes e nos locais indicados pela prefeitura (Estação das Artes e  Centro Dia do Idoso).

Medicina UNIFAE – antecipação da formatura e internato

A coordenação do curso de Medicina e a reitoria da UNIFAE estão acompanhando, atentamente, toda a legislação e as mudanças, quase diárias, decorrentes da crise originada pelo Covid-19. 

Orientada pelas recomendações das autoridades sanitárias e alinhada com as demais escolas de Medicina do Estado de São Paulo, que se encontram sob jurisdição do Conselho Estadual de Educação, a UNIFAE esclarece que, em relação à antecipação da formatura de Medicina, seguirá a decisão que vier a ser tomada pelo Conselho Estadual de Educação. Outro posicionamento só será possível caso haja orientação diversa no âmbito judiciário. No momento, não existe amparo jurídico para esta decisão. 

Em relação à volta do Internato, diante da manifestação, agora favorável dos alunos, estão sendo tomadas as providências necessárias. A previsão é que ocorra na primeira quinzena de maio, dependendo da autorização da Santa Casa e da compra dos equipamentos de segurança, EPIs, providência que já foi solicitada ao departamento de licitação da UNIFAE.

 

Pesquisa avalia fatores de risco para a saúde mental dos universitários

Um momento tão complexo e inédito na história recente da humanidade merece atenção acadêmica multidisciplinar, uma vez que tem implicações em diversas áreas do conhecimento. A pandemia do Covid-19, além dos problemas relacionados à saúde física, tem sido objeto de estudo dos pesquisadores que se dedicam à área da saúde mental, considerada fundamental para que os indivíduos enfrentem este período difícil da melhor maneira possível.

Além da ameaça de uma doença nova e seu impacto na economia mundial, todos estão lidando com drásticas mudanças na rotina, impostas pelo isolamento social.  Ao lidar com fatores desconhecidos e incertos, há um aumento dos níveis de ansiedade e medo, que atinge todas as faixas etárias.

Este cenário não é diferente entre os jovens e, para obter indicadores da saúde mental dos universitários, a Profa. Dra. Marta Regina Gonçalves Correia-Zanini, docente dos cursos de Psicologia, Pedagogia e Odontologia da UNIFAE, com a colaboração do Prof. Dr. Fábio Scorsolini-Comin, da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – USP, está iniciando a segunda fase de uma pesquisa que começou em 2019.

“Num primeiro momento, foram avaliados indicadores de saúde relacionados ao contexto universitário, como sintomas de depressão, ansiedade e estresse, numa amostragem composta por estudantes universitários de todo o Brasil.”, conta Marta Regina.

Agora, a pesquisa intitulada “Saúde mental em universitários: fatores de risco e proteção e a relação com o rendimento acadêmico”, além de reavaliar os estudantes que já participaram da primeira etapa, vai incluir novos participantes, como explica a professora: “Nosso objetivo é mensurar o impacto do momento atual da pandemia junto aos estudantes universitários e também refletir sobre ações de prevenção e promoção da saúde mental destes jovens.”

Para ampliar o número de participantes do estudo, os pesquisadores publicaram um convite nas redes sociais e disponibilizaram um link de acesso ao formulário  https://forms.gle/iG2iQvvg4QwUsrA6A, que pode ser respondido por universitários de qualquer instituição brasileira.

 “O questionário pode ser preenchido de forma sigilosa, sem que haja necessidade de identificação. Trata-se de um estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UNIFAE, que tem como intuito ajudar nas medidas de prevenção e promoção da saúde. No entanto, só poderemos cumprir este objetivo se contarmos com a colaboração da população universitária e, neste sentido, reforçamos o convite e agradecemos a todos que puderem nos auxiliar neste propósito.”, conclui a pesquisadora.