Qua04012020

Last update02:09:42 PM

 


Back Você está aqui: Home Variedades

Variedades

Com novo formato, Mega Fashion Week chega à sua 28ª edição


Maior shopping de moda por atacado do país, oMega Polo Modarealiza entre os dias 9 e 10 de março a 28ª edição doMega Fashion Week. O evento mais tradicional do calendário de moda atacadista apresentará as tendências para Outono/Inverno 2020, contando com a presença de 300 marcas. O evento ocorre entre às 7h e 17h em seus dois dias, comentrada gratuita, no bairro do Brás, em São Paulo.

Em 2020, o shopping traz umanova forma de apresentar os produtos, antes sendo através de desfiles, agora investindo em um formato mais moderno e digital inspirado em exposições. Ambientado no tema invernal, o local recebe um iglu de seis metros de altura no centro da Ala Polo.

A área irá reunir as principais tendências da moda da próxima estação por meio de expositores com telas multimídia, iluminação e decoração especial, além de espaços com uma temática lúdica para fotos. Os clientes e visitantes podem vivenciar uma experiência fashion única de inverno no Mega Polo Moda.

O novo formato de evento que foi idealizado pela equipe Pazetto Events, responsáveis por eventos de empresas como Adriana Degreas, Colcci, Fiera di Milano, Lacoste, Le Lis Blanc e Minas Trend Preview, teve inspiração em galerias de arte, assim o Mega Polo Moda se reinventa e apresenta as novas coleções dos 280 lojistas de forma inédita ao mercado de atacado.

Além disso, o shopping trará grandes nomes do cenário nacional em Gestão e Negócios para o evento. Entre eles estãoTallis Gomes, fundador da Easy Taxi,Bruno Nardon, co-fundador da Rappi Brasil eCarlos Ferreirinha, consultor por trás de trabalhos com marcas como Louis Vuitton e do grupo LVMH da América Latina para falar de negócios, marketing, varejo e moda, trazer conteúdo qualificado para os clientes do shopping, que além de abastecerem suas lojas, também aproveitam esses conteúdos na gestão de seus próprios negócios.

O Mega Fashion Week contará com uma exposição de linhas das 30 marcas vencedoras do Startup Fashion, o projeto de inovação do Mega Polo Moda. Será a primeira vez que as startups serão divulgadas para o público como pertencentes ao shopping.

Fonte: Redação | Foto: Divulgação

Shorts jeans são queridinhos nos looks de Carnaval

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Reprodução

Carnaval já começou na maioria das cidades brasileiras trazendo muito brilho, cores, criatividade e conforto. Para montar os looks da folia, uma das peças indispensáveis é o short jeans ou de sarja que combina com qualquer fantasia, seja ela de algum personagem ou juntamente com um body – hit da estação – um top, blusinha cropped ou t-shirt estilosa.

Por isto, selecionamos aqui alguns modelitos para inspirar os foliões que não abrem mão do apelo fashionista e peças ultra confortáveis para arrasar nos bloquinhos, desfiles de escolas de samba, bailes e afins.

Opções mais curtas ou bermudas comportadas são perfeitas e podem vir com desfiados em diferentes lavagens como nos modelos da Dzarm. O short clochard ganha cós dobrado e fica perfeito com bodies estampados. Há ainda peças com elásticos na cintura ou amarrações com fio liocel para looks sofisticados. Já a Maria Filó abusou de pedrinhas discretas em volta dos bolsos.

Água de Coco, em parceria com a Coca Cola, criou um short com patches e efeitos destroyers. Na cintura, um detalhe com brilho que completa o look do Carnaval. ALevi’s, que esteve presente no bloco “Casa Comigo” em São Paulo, tem diferentes modelos de shorts como os modelos “customizados” com pedras coloridas.

E que tal arrasar no total look jeanswear? A produção da Oh, Boy mescla o top e o shortinho cavado no raw com costuras marcadas e desgastes na boca dos bolsos. Já o comprimento médio dos shorts da Hering garante o ajuste e conforto perfeitos juntamente com efeitos destroyers como bigodes, esbranquiçados, puídos e navalhados.

Marca de moda social produzida com tecido africano tem parte do lucro destinado a países do continente

30% do que é recebido com a venda das peças Usoma é destinado para capacitação em moda de homens e mulheres na região do Dondo, entre outras.

Apesar da discussão socioeconômica que toma conta de muitos países, inclusive o Brasil, outras nacionalidades ainda enfrentam problemas centenários mais alarmantes, como a pobreza extrema. Na visão de alguns jovens, a atitude de uma única pessoa pode propagar a esperança em comunidades que se vêem, muitas vezes, isoladas de processos evolutivos.

Com a diversidade de cores e tecidos típicos, a Usoma, uma marca de moda social, trabalha com esse objetivo de criar possibilidades de mudança para quebrar o ciclo de pobreza de diversos países por meio da capacitação e transmissão do conhecimento. Assim,as roupas da Usoma são feitas com tecidos africanos e 30% do lucro gerado é voltado para a criação e desenvolvimento de projetos de capacitação em moda e empreendedorismo em regiões como: Dondo, em Moçambique e Bié, em Angola.

“Acreditamos que essa é a forma que temos para ajudar a quebrar o ciclo da pobreza que toma conta de muitos países. No futuro, queremos abrir para outros continentes, outras culturas, usando seus tecidos típicos em nossas roupas e podendo levar recursos para eles”, afirma Gabriela Ramos, sócia fundadora e diretora criativa da marca.

Usoma, em Umbundo, dialeto angolano, significa Reino. Para os fundadores da marca, Gabriela Ramos (diretora criativa), Gabriel Chiarastelli (fotógrafo) e Amanda Farias (diretora artística), existe algo maior - o reino - que pode mudar as pessoas e levar esperança a diversos povos de que existe alguém que pensa no próximo. Assim, os interessados que comprarem uma peça se tornam Usoma, como um propagador da ideia.

Diferenciais do tecido africano

As peças de roupa vendidas apresentam diferenciais além da missão social. O estilo da marca carrega estampas de capulanas, respeito à cultura do continente africano, cortes específicos e a criação de peças exclusivas aos usuários. Os interessados podem adquirir jaquetas, casacos e blazers no site www.usoma.com.br ou no Instagram @usoma.oficial, os produtos são enviados para todo o Brasil.Na cidade de São Paulo, é possível encontrar a Usoma no Afropolitan Station, uma loja colaborativa de cultura afro, no Centro da capital paulista (Rua Rêgo Freitas, 530). As peças ficam disponíveis para venda também em feiras que acontecem no decorrer do ano, as datas são divulgadas nas redes sociais do projeto.

Os tecidos africanos são comercializados com uma goma, que traz uma textura mais brilhosa e dureza ao pano. Porém, quando o material é lavado, a goma sai naturalmente. Nesse sentido, o diferencial da Usoma é que essa goma é retirada antes da produção das peças, o que garante que a textura da roupa do cliente não sofra alterações após a lavagem e gerando o caimento correto do tecido. Alguns produtos são exclusivos e outros são confeccionados em quantidade limitada.

Número de feriados em dias úteis cresce em 2020

Em 2020 o brasileiro vai descansar mais. De acordo com o Calendário 365, o ano que vem terá nove feriados nacionais em dias de semana, quase o dobro de 2019. Com isso, o impacto na área turística tende a crescer.

Segundo um estudo realizado pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC, sigla em inglês), o impacto do turismo gerou uma participação de US$ 8,8 trilhões ao Produto Interno Bruto (PIB) mundial (10,4%). O estudo do Conselho analisou 185 países, de 25 regiões geográficas ou econômicas. A entidade é a principal consultoria independente de turismo no mundo.  

Para grande parte da população, os feriados são uma das poucas opções de descanso e período para viagens já que muitos trabalham ou estudam presencialmente.

CALENDÁRIO

O calendário de 2020 terá 9 feriados nacionais, sem contar os feriados estaduais e municipais, como o do Dia da Consciência Negra e aniversários das cidades. Dos nacionais, seis serão prolongados – isto é, vão cair em segundas ou sextas-feiras e portanto emendam com o final de semana. Só um deles vai cair em um final de semana: 15 de novembro, data da Proclamação da República, será em um domingo.

O segundo semestre de 2020 está mais farto: quatro feriados prolongados – contra apenas dois entre janeiro e junho.

Diferentemente do que muita gente pensa,Carnaval e Corpus Christi não são feriados nacionais. As duas datas serão consideradas pontos facultativos no serviço público federal. Além disso, são feriados estaduais ou municipais em muitos locais.

Assim, quem gozar dessas datas terá dois feriados a mais: 25 de fevereiro (Carnaval, terça-feira) e 11 de junho (Corpus Christi, quinta-feira).

E quem puder emendar essas datas vai acabar com mais dois feriadões prolongados: de 22 a 25 de fevereiro (Carnaval) e de 11 a 14 de junho (Corpus Christi).

 

Lista de feriados nacionais em 2020

  • 1º de janeiro (quarta):Confraternização Universal
  • 10, 11 e 12 de abril (sexta a domingo):Paixão de Cristo é dia 10
  • 21 de abril (terça-feira):Tiradentes
  • 1º, 2 e 3 de maio (sexta a domingo):Dia Mundial do Trabalho é dia 1º
  • 5, 6 e 7 de setembro (sábado a segunda):Independência do Brasil é dia 7
  • 10, 11 e 12 de outubro (sábado a segunda):Nossa Senhora Aparecida é dia 12
  • 31 de outubro, 1º e 2 de novembro (sábado a segunda):Finados é dia 2
  • 15 de novembro (domingo):Proclamação da República
  • 25, 26 e 27 de dezembro (sexta a domingo):Natal é dia 25

 

Lista de pontos facultativos nacionais em 2020

  • 24 a 26 de fevereiro (sábado a quarta):Carnaval é ponto facultativo o dia inteiro na segunda e na terça-feira e até as 14h na quarta-feria de cinzas
  • 11 a 14 de junho (quinta a domingo):Corpus Christ é no dia 11
  • 28 de outubro (quinta):Dia do Servidor Público
  • 24 de dezembro (quinta):véspera de Natal – ponto facultativo após as 14h
  • 31 de dezembro (quinta):véspera de ano novo – ponto facultativo após as 14h

Férias com lazer e aprendizado. Museu do Biológico tem até “Corrida de Baratas”

A Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo está promovendo eventos para que a população possa conhecer suas atrações, principalmente com a chegada das férias escolares. Além de passeio educativo são muitas as atrações que enriquecem o conhecimento e atraem crianças e jovens: visitar o Planeta Inseto, do Instituto Biológico. o Aquário do Instituto de Pesca e o Museu de Pesca, localizados, respectivamente, na capital e no litoral paulista. As atrações são referência no Brasil nos quesitos de acervo histórico, interatividade e transferência de conhecimento.

Paneta Inseto

O Planeta Inseto do IB é o único Jardim Zoológico de insetos do Brasil e América Latina. A exposição, instalado no Museu do Instituto Biológico, mostra a importância desses organismos e de seu universo particular, bem como retrata, de forma lúdica e interativa, os diversos aspectos sobre os insetos, sensibilizando o público de sua importância para sustentabilidade ambiental, produção de alimentos e saúde pública.

O Museu do Biológico fica na Avenida Doutor Dante Pazzanese n° 64, Vila Mariana e funcionará durante o período de férias de terça a domingo, das 9h às 16h, a não ser nos dias 13, 24, 25 e 31 de dezembro, assim como no dia 1° de janeiro de 2020. Para receber um número maior de visitantes durante este período a corrida das baratas (foto), uma das atrações preferidas das crianças, será feita com maior frequência, a cada 1h00.

A entrada no museu paulistano é gratuita e, dentre suas atrações, pode-se conhecer abelhas produzindo mel em colmeias, lagartas tecendo o fio da seda, formigas trabalhando em um sistema social organizado e cupins reciclando material orgânico. A exposição é apresentada de forma dinâmica, com recursos lúdicos e atraentes, como painéis interativos, microscópios para observação de criaturas minúsculas, mídia digital, jogos e outras curiosidades

Aquário do IP

No Aquário do Instituto de Pesca os visitantes podem aproveitam uma sensação parecida com a de estar no fundo do mar ao entrar em contato com os 30 viveiros de peixes, em que estão expostas as principais espécies de alto valor econômico para a aquicultura e a pesca continental, como a tilápia, o pacu e o matrinxã. O aquário está localizado no Parque Da Água Branca, na Avenida Francisco Matarazzo n°455, próximo à estação Palmeiras - Barra Funda do metrô.

O espaço da Secretaria de Agricultura estadual tem o objetivo de transferir conhecimento sobre os ecossistemas e organismos aquáticos.
A atividade visa fortalecer habilidades psicomotoras das crianças e, para aguçar os sentidos sensoriais, serão realizadas contações de histórias e os visitantes poderão tocar em alguns animais. O aquário está aberto deterça a domingo, das 9h às 17h -- apenas no Natal(24 e 25) e ano novo (31 e 01/01) não haverá visitas. Os ingressos custam R$ 3, no entanto, menores de cinco anos e maiores de 65 anos não pagam

Museu de Pesca

OMuseu de Pesca fica na Avenida Bartolomeu de Gusmão n° 192, Ponta da Praia em Santos, litoral do Estado de São Paulo, é tombado como patrimônio histórico e cultural do País, além de ser um ótimo lugar para passear após um banhode mar. Seu acervo é composto pela Balaenoptera physalus, Architeuthis, a sala dos tubarões, o quarto do capitão, entre outras atrações.

Com o intuito de estimular a interação, a curiosidade e o aprendizado das crianças, tem-se utilizado o celular como um aliado na visitação das atrações do museu.A nova atração “Caça ao Tesouro” estimula os participantes a utilizar a tecnologia do QR Code para descobrir respostas das pistas espalhadas em cerca de 70% do acervo do museu, assim aprendem mais sobre a biodiversidade, sustentabilidade e biologia marinha. Os ingressos custam R$ 5 para visitantes, R$ 2,50 para estudantes e professores, e crianças até seis anos, adultos maiores de 60 anos e escolas públicas são isentos.

O museu fica aberto de quarta domingo, das 10h às 18h.

 

Principais atrações:
Balaenoptera physalus-- Fósseis de uma baleia gigante de 23 metros de comprimento, pesando sete toneladas e com 193 ossos. A baleia-fin encalhou na praia de Peruíbe durante asegundaguerra mundial, em agosto de 1941. Quando chegou ao museu, os museólogos tiverem de derrubar três salas para caber o fóssil do mamífero.

Architeuthis-- Uma lula gigante de 5 metros de comprimento e 91 quilos, taxidermizada. Esta atração é a única ao redor do mundo e está aqui, no museu de pesca de São Paulo.

Sala dos tubarões-- Dá até para sentir medo ao entrar nesta sala, pois ela conta com tubarões de diversos tipos e épocas, por exemplo, o tubarão megaboca, o tubarão golfinho e o tubarão bico de cristal.

Quarto do capitão-- Esta sala foi inspirada na franquia sucesso de bilheteria Piratas do Caribe. Ela conta com joias, espadas, um timão, carta náutica, bússola e um esqueleto de macaco, igual ao filme.

As figuras bíblicas que não podem faltar no presépio

Alexas_Fotos - Pixabay

Use a Bíblia como guia – e não esqueça o burro!

Se você tiver que fazer uma escolha, por razões financeiras ou estéticas, entre a multidão de figuras a serem incluídas no seu presépio, deixe suas decisões serem guiadas pela Bíblia.

Que melhor guia do que os Evangelhos para nos ajudar a representar melhor o nascimento do Menino Jesus? Quando confiamos nas Escrituras, apenas cerca de 10 personagens estão presentes no cenário da Natividade. Os textos de São Lucas e São Mateus, os dois evangelistas que contam a história do nascimento de Jesus em Belém, falam sobre os principais personagens que estiveram envolvidos neste acontecimento

A SAGRADA FAMÍLIA

“Foram com grande pressa e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura.” (Lucas 2,16)

Maria e José, cuja rendição total à vontade de Deus permitiu que Cristo viesse ao mundo, são os personagens centrais da Natividade. Quanto a Jesus, para quem todos os olhos convergem, Ele é o futuro rei do universo. Às vezes, surge um debate: o menino Jesus deveria estar fora do presépio até a véspera de Natal? Ou podemos colocá-lo na manjedoura no primeiro domingo do advento? É aconselhável colocá-lo na noite de Natal. Mas cada família pode seguir suas próprias tradições.

O ANJO DO SENHOR

“Um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu ao redor deles, e tiveram grande temor. 10.O anjo disse-lhes: “Não temais, eis que vos anuncio uma Boa-Nova que será alegria para todo o povo.”  (Lucas 2, 9-10)

O anjo não está lá para “parecer bonito” acima da manjedoura. Enviado por Deus, o anjo alerta os pastores do nascimento de Cristo no relato de São Lucas (capítulo 2). O anjo, portanto, tem um lugar especial no presépio.

OS PASTORES

“E deu à luz seu filho primogênito, e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria.” (Lucas 2,7)

Os pastores são os primeiros a serem informados do nascimento de Jesus e os primeiros a vir a adorá-lo. É por isso que as ovelhas também têm seu lugar no presépio! Um pastor e duas ovelhas são suficientes para representar os rebanhos.

OS MAGOS

“Entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se diante dele, o adoraram. Depois, abrindo seus tesouros, ofereceram-lhe como presentes: ouro, incenso e mirra.” (Mateus 2,11)

Os Magos, que se acredita serem estudiosos persas, aparecem apenas no Evangelho de Mateus (capítulo 2). Seus nomes – Gaspar, Melchior e Balthazar – foram dados apenas a eles no século VI. Eles ficam um pouco mais afastados da manjedoura para indicar que estão a caminho. A chegada deles na frente do Menino Jesus acontece em 6 de janeiro, o dia da Epifania.

O BURRO E O BOI

Quer os amantes das cenas da Natividade gostem ou não, burros e bois não são mencionados nas histórias bíblicas da Natividade. Portanto, não os consideramos indispensáveis. A tradição popular foi realmente extraída de um evangelho apócrifo chamado “Pseudo-Mateus”, onde está escrito que “dois dias após o nascimento do Senhor, Maria deixou a caverna, entrou em um estábulo e colocou a Criança em uma manjedoura, e o boi e o burro, dobrando os joelhos, O adoravam.” Os primeiros escritores cristãos também associaram a presença desses animais com uma passagem de Isaías (capítulo 1, versículo 3), lida como uma referência ao Messias: “O boi conhece o seu possuidor, e o asno, o estábulo do seu dono”.

Confraternizações: o que vestir?

Erioka Paiva, consultora de imagem dá dicas de looks para as festas de fim de ano

Dezembro já chegou e com ele mais um ano vai se despedindo. Nesse período, paramos para refletir sobre o que fizemos durante estes doze meses e planejamos o que faremos nos próximos. Em época de confraternizações, sempre bate aquela dúvida: o que vestir? O mais importante é adequar a roupa ao local e às pessoas que participarão do evento. Confira as dicas:

Confraternização de empresa

Primeiro de tudo, é importante ter em mente que apesar de ser uma celebração, ainda estamos no nosso “meio de trabalho” e que, na semana seguinte, a vida continuará a mesma, com o mesmo chefe, diretor e colegas. Por isso, alguns cuidados devem ser levados em consideração.

Como o momento é mais descontraído, um look informal é bem vindo, porém, decotes profundos, peças muito justas e curtas devem ser evitadas. Aqui o bom senso é quem fala, para evitar situações constrangedoras.

Almoço

Escolha uma roupa leve e fresca, de preferência com tecidos naturais e fluídos. Aposte em vestido ou macacão, com estampas, cores claras ou vibrantes e modelagens descontraídas. O comprimento midi e longo, além de darem um ar sofisticado e despretensioso ao look, nos deixam mais confortáveis em questão de movimento. Falando em conforto, escolha sapatos como: rasteirinhas, esquadrilhe e anabela.

Jantares

Aposte num macacão, vestido ou saia midi. Procure tecidos mais refinados, com brilho, bordado ou alfaiataria. Modelagens diferentes são ótimas para sair do dia-a-dia!  Nos pés, use um salto alto fino ou bloco. Os acessórios também são super bem vindos, como clutch, jóias ou bijuterias que tenham sua essência.

Happy Hour

A ocasião informal pede peças como camisa ou vestido (longo, midi ou altura do joelho), e não tão estruturadas. Nos acessórios, pode apostar desde salto fino, bloco e até sapatilha.

Premiações

Esse tipo de evento pede um look mais formal e elegante. Opte por um vestido longo ou macacão, não tem erro!

Mitos e Verdades da dieta vegana


Nutricionista fala sobre a aliimentação sem produtos animais

A sociedade está cada vez mais engajada com as causas animais e também com a preservação do meio ambiente. Prova disso é o crescente número de pessoas que tem mudado seu estilo de vida e forma de alimentação para fazer a sua parte na preservação do futuro do planeta. De acordo com uma pesquisa da GlobalData (2018), 70% de toda a população mundial está diminuindo ou abandonando o consumo de carne. Nos Estados Unidos, o número de pessoas que se declaram veganas subiu 600% nos últimos 3 anos.

Essa nova visão, que já chegou com força no Brasil, está intimamente ligada a uma mudança de pensamento e comportamento, onde consumidores estão mais interessados em saber de onde vem a comida, quais são os seus impactos sobre o meio ambiente e o que ela causa na vida dos animais. 

Mesmo sendo um tema amplamente discutido mundo afora, a dieta vegana ainda provoca certas dúvidas sobre os valores nutricionais dos alimentos ingeridos e sobre a saúde dos adeptos. Por isso, Alessandra Luglio, nutricionista e consultora da MOTHER Nutrients, empresa que produz suplementos alimentares à base de plantas, para falar sobre as verdades e mitos da Dieta Vegana. 

Veganos podem sofrer de deficiência nutricional

MITO. "É um grande mito que cerca a dieta vegana. A normalidade é consumir alimentos de origem animal. Quando se exclui, parece que faltou algo, o que não é verdade. É bom deixar que claro que nós somos onívoros, ou seja, podemos escolher comer vegetais ou alimentos de origem animal. Não somos como os leões, por exemplo, que são carnívoros. E através dos alimentos vegetais nós conseguimos todos os nutrientes necessários para a vida humana, para a manutenção da saúde e para a nossa vitalidade. Existe uma exceçãohoje, devido ao estilo de vida moderno que nós humanos levamos, é o aporte da vitamina B12. Ela é uma vitamina sintetizada por bactérias que estão no solo. A vitamina B12 não está dentro dos alimentos, mas na parte externa dos alimentos. Como a maioria dos humanos hojevive em cidades e sem contato direto com o solo (consumimos alimentos lavados, descascados, comemos de garfo e faca), acabamos não tendo contato direto com a vitamina B12. Por isso, quando excluímos os alimentos de origem animal, acabamos não tendo contato com essa vitamina. Isso acontece porque os animais não fazem a higiene como os humanos e, ao contrário de nós, eles estão em contato com o solo e eles acumulam a vitamina B12 e por isso, o consumo de animais faz com que tenhamos essa vitamina. Mas é importante dizer que ela não foi sintetizada por eles. No caso da alimentação vegana, a vitamina B12 pode ser suplementada".

A dieta vegana ajuda na performance

VERDADE. "Hoje, com a evolução dos estudos e também com a prática por profissionais atletas da dieta vegana, já temos muito embasamento e muitos dados que comprovam que quem faz uso de uma dieta totalmente estrita vegana (à base de vegetais íntegros, come muitos cereais, leguminosas, frutas, legumes, verduras, sementes, castanhas) e tem uma dieta altamente rica em todos os nutrientes e, principalmente vitaminas, minerais e antioxidantes estão totalmente relacionados com a melhora de performance no esporte. Uma dieta vegetariana, livre de alimentos de origem animal, também faz com que não exista o consumo excessivo de proteínas. É que o consumo excessivo de proteínas leva a alguns problemas relacionados a performance, como por exemplo, digestão lenta. Um atleta que tem um processo de digestão lento reduz a performance. Além disso, o excesso de proteína, que é muito preconizado em dietas convencionais, acaba trazendo malefícios por conta da acidose que causa. A quebra de proteínas gera metabólitos secundários que acidificam o corpo e interferem diretamente na performance. Já uma dieta à base de vegetais é mais alcalina (o que ajuda na geração de energia), ela é rica em antioxidantes (que neutralizam os radicais livres que ajudam na performance), tem uma digestão mais rápida. Além disso, vários estudos mostram que o sangue de quem segue uma dieta vegana estrita é menos viscoso, mais fluido e com isso, os músculos recebem uma melhor irrigação, ajudando a levar mais oxigênio e mais nutrientes, o que também reflete em uma melhora na performance. Todos esses fatores somados mostram que sim, uma dieta vegana (rica e nutritiva, com o acompanhamento de um profissional), ajuda na performance em geral". 

Uma dieta vegana deixa você mais fraco

MITO. "Quem faz esse tipo de afirmação está baseada em mitos de que a dieta vegana vai trazer algum tipo de carência. Obviamente uma dieta desequilibrada e carente pode levar ao cansaço e fraqueza, o que não é verdade e não é o que é observado na prática de quem segue uma dieta vegana". 

Veganos perdem peso com facilidade

VERDADE. "Isso acontece pelo fato de que, ao retirar alimentos de origem animal, você acaba retirando drasticamente o teor de gordura da sua dieta. Com isso, você passa o dia consumindo menos calorias. O que faz uma pessoa perder peso, seja em uma dieta vegana ou não, é ela consumir menos calorias do que ela gasta. Quando se trata de veganos estritos no esporte, é um ponto de merece atenção pelo fato de um atleta que gasta muitas calorias, ele precisa estar atento e complementar essas calorias. Ou seja, ele precisa comer mais: mais arroz, mais feijão e mais proteínas vegetais para complementar tudo o que ele gasta". 

Dieta sem carne não traz bons ganhos de hipertrofia

MITO. "A relação entre carne e hipertrofia muscular é um mito. Vale aqui citar uma frase de Patrick Baldwin, 'Como você vai ser forte como um touro sem comer carne? Você já viu um touro comendo carne? Não, porque os touros são vegetarianos'. Então, contanto que você faça a ingestão correta do seu aporte de proteínas seguindo uma dieta vegana, vocêterá hipertrofia igual a uma pessoa que come carne". 

É uma dieta cara e com poucas opções

MITO. "A dieta vegana é uma das formas mais eficazes de você melhorar o seu portfólio alimentar.Hojetemos um modelo ocidental de comer baseado em alimentos de origem animal, onde as carnes, os queijos e os ovos são os pratos principais. Quando excluímos essa quase uma dúzia de alimentos, nos deparamos com a possibilidade de comer muitos outros e aumenta o seu leque de opções. Nós temos uma enorme variedade de leguminosas, como feijão, lentilha, ervilha, grão de bico, soja de vários formatos e variedade, e ainda cereais, raízes, frutas, verduras, legumes, sementes que acabam sendo pouco explorados na alimentação convencional. Quando saímos do estigma do 'ser tradicional', e se sente em uma condição de seguir um modelo diferenciado, você se abre e amplia muito mais as suas opções. E todos os alimentos citados são baratos se comparados às proteínas animais, que acabam sendo a parte mais cara da dieta. O que acontece é que as pessoas acabam querendo buscar substitutos aos alimentos de origem animal na versão vegetal, como por exemplo o leite vegetal, a carne vegetal, o queijo vegetal e isso, infelizmente ainda, por questões de uma demanda muito pequena e por conterem matérias primas mais caras, como as castanhas e os laticínios, encarece os produtos.

Marrocos lança exposição em São Paulo de olho no turista brasileiro

Marrocos Casablanca - ONMT Turismo de Marrocos

 

Semana Marroquina traz os mistérios e riquezas da cultura do destino africano

Para divulgar seus elementos culturais mais marcantes, o Turismo do Marrocos traz a São Paulo a Semana Marroquina, com abertura nesta terça-feira, dia 5 de novembrono Conjunto Nacional, em São Paulo. A exposição acontece até o dia12 de novembro, das 10h às 20h, e oferecerá ao público experiências únicas que só o fabuloso destino pode proporcionar.

A programaçãoterá diversas experiências gratuitas, como a presença de uma hennayate que oferecerá ao público a tradicional pintura de hena, o famoso calígrafo Filali Baba, que mostrará a arte da caligrafia árabe, um artesão trabalhando ao vivo e o grupo de música marroquina Benjelloun. O evento ainda contará com a tradicional Cerimônia do Chá, desfiles de cafetãs (peça emblemática do vestuário marroquino) da estilista Sana Redwani e exposição de fotos artísticas.

De acordo com dados do turismo internacional, cerca de 60 mil brasileiros visitaram o destino em 2018, número que representa um crescimento de 13% em relação ao ano anterior, e, para este ano, a previsão é de continuar o aumento na casa dos dois dígitos.

Serviço
Semana Marroquina
Data
: 6 a12 de novembrode 2019
Horário: 10h às 20h
Local: Conjunto Nacional (Av. Paulista, 2073 – Consolação, São Paulo