Sab10192019

Last update03:32:00 PM

Copyright © 2019 Gazeta de São João. Todos os direitos reservados.
Designed by JoomlArt.com.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

 


Back Você está aqui: Home Variedades

Variedades

Caminho Português de Santiago: roteiro pelo Centro de Portugal

Rota de peregrinação é uma das opções até a sagrada cidade espanhola

O Caminho de Santiago é uma das mais famosas peregrinações cristãs do mundo, levando milhares de pessoas à cidade espanhola todos os anos. Mas muita gente não imagina que não existe apenas um caminho, e sim vários, que passam por diferentes lugares e países. Portugal é um deles!

Há vários percursos para Santiago marcados em terras portuguesas, mas o mais famoso é conhecido como Caminho Português de Santiago, e parte de Lisboa. Essa trilha atravessa a charmosa região do Centro de Portugal, onde ficam Coimbra, Aveiro e a Serra da Estrela.

A rota pelo Centro de Portugal começa na cidade deTomar, a 130 quilômetros da capital do país. O destino tem muita história para contar e está intimamente ligado com a trajetória da fé cristã, uma vez que lá ficava a sede portuguesa da Ordem dos Cavaleiros de Cristo, também conhecidos como os Templários. É lá que foi construído o grandioso Convento de Cristo, onde havia um oratório privativo para os cavaleiros.

Saindo de Tomar, o caminho passa por pequeninas vilas portuguesas que encantam os peregrinos com seu estilo de vida simples, próximo à natureza e repleto de fé. A primeira etapa consiste em 32 quilômetros atéAlvaiázere; depois, mais 33 para chegar a Rabaçal; e outros 18,5 quilômetros até Cernache.

Menos de 12 quilômetros ligam Cernache aCoimbra, um dos principais destinos da região. É lá que estão uma das universidades mais antigas do mundo, a Universidade de Coimbra, um centro histórico muito bem preservado e belíssimos parques. Do ponto de vista religioso, há a Sé Velha de Coimbra, a Igreja de Santa Clara-a-Nova, o Mosteiro e Igreja de Santa Clara-a-Velha, a Igreja de Santo António dos Olivais e a bela Capela de São Miguel, situada dentro do campus da universidade.

De Coimbra até o próximo destino são 23 quilômetros.Mealhada, uma cidade com 20 mil habitantes, é famosa pelo delicioso leitão à Bairrada e o excelente Parque da Cidade. Os peregrinos também gostam de visitar a Capela de Sant’Ana e a Igreja Paroquial.

Com mais 31 quilômetros, chega-se aÁgueda, que tem como cartão-postal as ruas cobertas de guarda-chuvas coloridos no verão. Mas seu patrimônio vai muito além disso, e inclui a Igreja de São Salvador da Trofa e a Igreja de Santa Eulália.

A última parada do Caminho Português de Santiago na região Central éAlbergaria-a-Velha, que fica a 31 quilômetros de Águeda. A cidade é conhecida pelos cenários repletos de moinhos de água, mas o que realmente fascina os peregrinos é o Monte da Senhora do Socorro, onde fica a Capela do Santuário da Senhora do Socorro, construída pelo cumprimento de uma promessa feita à santa no século 19. Dali tem-se uma vista deslumbrante para a serra.

Os peregrinos então seguem rumo ao norte do país, desbravando outra região portuguesa e uma parte da Espanha até chegar ao destino final: Santiago de Compostela, onde fica o túmulo do apóstolo Tiago.

Sony Music comemora o centenário de Jackson do Pandeiro e disponibiliza seis álbuns raros do artista em streaming

Jackson do Pandeirofoi e continua sendo uma escola dentro da música brasileira. Fato é que seu legado a cada ano fica mais forte. Todos não cansam de se deliciar com as impressionantes divisões rítmicas de seu canto e seu pandeiro, pelas quais ganhou a alcunha de “O Rei do Ritmo”, e pelas letras simples, mas muito bem feitas, que alternavam ingenuidade e malícia. O que poucos sabem é que foi também um dos artistas mais humildes de sua época, que tanto poderia brilhar sozinho num grande palco ou como um anônimo percussionista de estúdio em discos alheios. Seu centenário é celebrado em 31 de agosto, e é uma data mais do que significativa para que o marketing estratégico da Sony Music Brasil dê prosseguimento ao projeto de digitalização de seu catálogo. Restaurando tapes analógicos e projetos gráficos originais de seus antigos vinis, disponibiliza nas plataformas de streaming a partir desta sexta-feira (30), seis álbuns de carreira do cantor, uma coletânea e uma playlist especial.

São eles o compacto duplo “Nortista quatrocentão” (1958), no qual lançou o clássico “Tum, tum, tum” (“No tempo que eu era só/ E não tinha amor nenhum/ Meu coração batia mansinho/ Tum, tum tum”), um disco de 78 rpm (de duas faixas, gravado em 1959), com“Lágrimas”(um samba de sucesso no carnaval de 1960) e outro samba raro,“De Araraê”, além dos LPs“Jackson do Pandeiro é sucesso” (1967), “O dono do forró” (1971), “Sina de cigarra” (1972) e “Tem mulher tô lá” (1973), dos quais a que entrou para a galeria de clássicos do artista foi a faixa-título do álbum de 72: “Nasci com uma sina de cigarra/ Aonde eu chegar tem farra”.

Este tesouro que agora chega às plataformas digitais redescobre uma gama de forrós deliciosos que ficaram perdidos no tempo, somando-se a outros que já estavam disponibilizados, como o álbum “Jackson do Pandeiro” (1958), no qual lançou os clássicos “Chiclete com banana”, “Cantiga do sapo”, “Casaca de couro” e “Baião do bambolê”, e as coletâneas “O melhor de Jackson do Pandeiro” (1962) e “Casaca de couro – 14 grandes sucessos” (1995), todos do catálogo da Sony Music. Completam o pacote mais uma coletânea,“Os grandes sucessos de Jackson do Pandeiro” (1975) eplaylistcomemorativa“Jackson do Pandeiro – Forrozeiro do Brasil” (https://lnk.to/Jackson100), trazendo sucessos e relíquias de seu repertório, todos com minha curadoria.

Entre as raridades dessa leva, temos os forrós “Balanço de Maria”, “Forró em Campina” (exaltando a cidade de Campina Grande de sua mocidade, onde aprendeu a “tocar pandeiro nos forrós de lá”), “Sereno cai”, “Catirina” e “Quero sambar” (porque “sambar” também já foi um sinônimo de “forrozar”); o samba de roda “Eu e Dona Maria”, o coco “Coração velho”, muito atual, discorrendo sobre sua paixão por todos os estados nordestinos; outros números pitorescos, como “O pracinha”, sobre um jovem brasileiro que foi servir naSegundaGuerra e voltou vivo para contar a historia; um de temática rural, “O lavrador”, que louva o trabalho no campo após o período de seca (“Te prepara lavrador que tá na hora de plantar”); além da marcha “O bom torcedor”, que enumera seus times preferidos em cada parte do país.

 Soma-se a essas, canções engraçadas e críticas: os xotes “Mania de mangar”, “Tem mulher, tô lá” (“Se tiver de escolher a mulher ou o dinheiro/ É mulher que eu vou querer”) e “Nem vem que não tem” (“Pois eu não sou saco de carga pras mentiras de ninguém”); o rojão “Puxa saco”; os cocos “Pacato cidadão”, sobre um sujeito calmo até que pisem no seu calo e “Marieta” (“Nem que o diabo arranque o rabo/ Eu não deixo a minha preta”); o gaiato xote “Xarope de amendoim”, revelando um antídoto contra a impotência masculina; o xote “Cachimbo chato”, pivô de uma hilariante briga conjugal, e o forró “Chico chora” (“A mulher foi fazer compras/ Não voltou até agora/ Por isso é que Chico chora”).

  

Dos confins do Brasil ao estrelato nacional

Natural de Alagoa Grande, no interior da Paraíba, José Gomes Filho apurou o gosto pela música nordestina vendo sua mãe cantar cocos nas feiras de seu povoado pobre nos anos 1920 e 30, ao lado de um pequeno grupo de músicos, em troca de alguns trocados. Com o tempo, passou a acompanhá-la no zabumba. Após a morte do pai, mudou-se para Campina Grande, onde alternou o ofício de ajudante de padeiro, com bicos como pedreiro, pintor de paredes e limpador de fossa, mas sem esquecer a música, tocando onde quer que houvesse uma oportunidade, fosse baile, seresta, feira ou cabaré. Por essa época é que tornou-se exímio tocador de pandeiro. Fã de filmes de faroeste, tinha desde pequeno o apelido de Jack (por causa de seu ídolo, o ator Jack Perrin), daí que mais tarde já passou a ser chamado de “Jack do Pandeiro”.

Descoberto por Genival Melo, divulgador da Copacabana Discos, de passagem pela capital pernambucana, Jackson foi logo contratado e estourou no Brasil inteiro em 1953 com seu primeiro disco, trazendo “Forró em Limoeiro” e a mesma “Sebastiana”, nessa altura acompanhado de outra radioatriz, Almira Castilho, que se tornou sua esposa e como já tinha estudo, foi responsável também por sua alfabetização. Sim, aos 34 anos, ele ainda era analfabeto. Dali para que aportasse no Riode Janeiroforam apenas seis meses. Chegou à (então) Capital Federal consagrado, logo descolando um contrato com a mítica Rádio Nacional. Sete anos após Luiz Gonzaga terexplodido a música nordestina nacionalmente, Jackson foi importante por dar um novo gás a esse cancioneiro, popularizando gêneros diferentes como cocos e rojões.

Trend alert: os acessórios de cabelo do momento

(Z Magazine)

O poder do acessório todo mundo já conhece: ele transforma qualquer look básico em algo extraordinário. Não é a toa queBlair Waldorf, a maior referência fashion de “Gossip Girl”, reina a sua turma de amigas com o poder de uma tiara. Também quer ser uma Queen B?A Zseparou inspirações e dicas de acessórios decabelo, que não vão sair da sua cabeça e serão perfeitos para um bad hair day. Let’s check!

Tiaras

A queridinha! Ela pode ser encontrada em cetim ou veludo, com aplicações, como bordados, estampas ou nós. Escolha a uma para chamar de sua e let’s rule!

 

Presilhas

Que tal dar um toque fun ao look? As presilhas voltaram para ficar e, melhor, com palavras superdivertidas e aplicações descoladas para conversar com sua personalidade. Mas, para quem gosta da vibe clássica, a dica é investir em modelos sofisticados, como aqueles com aplicação em pérolas. Lindas, né?

 Scrunchies

Essa é uma tendência que voltou com tudo! Diretamente dos anos 80, os scrunchies são super fofos, e dão aquele up no look em um bad hair day!

 Faixas

Como a tiara, a faixa também é uma opção mais delicada. Ela existe de diferentes texturas e aplicações e pode ser utilizada com diferentes amarrações. Choose yours!

 Lenços

What a vibe! Esse item é o mais atemporal de todos. Além de dar um toque vintage ao look, ele é um daqueles acessórios que mostra a alma fashion de longe. Faixa, turbante, detalhe no rabo de cavalo ou até mesmo à la camponesa, o lenço pode ser usado de diferentes formas e com estampas variadas. Qual vai ser o seu?

Mega Fashion Week no Brás em São Paulo


O maior evento de moda atacado do Brasil contará com desfiles e principais tendências de moda para Primavera/Verão2020

O Mega Polo Moda, maior shopping de moda atacado do país, realiza nos dias 29 e 30 de julho o Mega Fashion Week. O mais tradicional evento do calendário de moda  atacadista chega à sua 27ª edição e apresentará as tendências para Primavera/Verão 2020. Para deixar o evento ainda mais rico e promover experiência e atualização, o Mega Polo Moda fará palestras com grandes nomes do cenário nacional para falar de negócios, trazer conteúdo de qualidade para os clientes que aproveitam os dois dias também para abastecerem suas lojas.

No dia 29 pela manhã,  Pedro Janot falará da sua expertise como CEO da Zara, que trouxe a operação da marca para o Brasil. O economista Ricardo Amorim fechará o primeiro dia do MFW, fazendo um panorama sobre o cenário econômico atual e perspectivas para o futuro.

A programação do evento é ampla e começa às 6h da manhã com um café da manhã para os convidados. As lojas abrem em seguida com os atendimentos aos clientes. Às 9h30 acontecerá um desfile conceitual assinado por Gustavo Silvestre, logo após a primeira palestra do dia. Os desfiles das marcas do shopping acontecem nos dois dias às 14h e às 16h. No total serão mais de 400 looks desfilados com o melhor da moda feminina, masculina e infantil que estará em todo o país nos meses mais quentes do ano.

Os desfiles são coordenados pela Cia Paulista de Moda com a direção de Reginaldo Fonseca. O styling é assinado por Gustavo Silvestre, criador do Projeto Ponto Firme, desfilado na última edição do SPFW.

Sobre o Mega Polo Moda

Localizado no maior centro atacadista de moda do Brasil e da América Latina, o Mega Polo Moda oferece aos lojistas e revendedores, uma seleção completa e diversificada de moda, antecipando as novidades de cada temporada.  O Mega Polo Moda é mais que um shopping atacadista, é uma plataforma colaborativa de negócios da moda, pensada para dividir todo seu conhecimento e curadoria com seus clientes.  

Serviço:

27ª Edição Mega Fashion Week

Shopping Mega Polo Moda – Rua Barão de Ladário, 566/670 – Brás – São Paulo

Horário: das 6h às 20h

Dias: 29 e 30 de julho

EAPIC 2019

Projeto Cem Anos da Cripta da Catedral da Sé

Série de concertos dá acesso inédito e gratuito a espaços pouco conhecidos da Catedral da Sé

Em 2019 a Cripta da Catedral da Sé completa 100 anos. Produzida pelo Ministério da Cidadania e pelo Estúdio Centro, com o patrocínio da Sabesp e do Governo do Estado de São Paulo,a “Série Concertos 100 Anos da Cripta da Catedral da Sé” traz 30 apresentações reunindo grandes nomes e revelações da música instrumental e do canto coral brasileiros.  

Os eventos serão todos gratuitos, com concertos na própria cripta e em outros locais de acesso restrito da catedral (como os salões do piano e do coro).“Será uma oportunidade inédita de paulistanos e turistas apreciarem esses locais ao som de repertórios que destacarão obras da música clássica e popular brasileira e internacional em formações tão diversas como piano solo, madrigais, canto gregoriano e até o diálogo do beatbox com estilos mais ligados ao clássico”, afirmaCamilo Cassoli, Diretor Geral doProjeto.  

A partir da história da Cripta, serão destacados repertórios que relacionarão diversos momentos históricos da cidade de São Paulo a partir da Praça da Sé e de sua Catedral. Ganharão destaque especial os povos que compõem a cidade, com a presença de grupos de suas diversas origens.

 
Os concertos acontecem aos sábados, às 16 horas, e serão todos gratuitosTodos
terão em média uma hora de duração, com transmissão ao vivo pela internet.

A programação irá de Julho de 2019 a Março de 2020.A programação da série, conteúdos exclusivos e a íntegra dos concertos já realizados poderão ser acessadas nas redes do projeto:  instagram/concertoscripta,facebook/concertoscripta  e no sitewww.concertoscripta.com.br



ESTRÉIA

A apresentação de estreia (06/07) será com o violonista Alessandro Penezzi,vencedor (em parceria com Yamandu Costa) do prêmio de Melhor Disco Instrumental Brasileiro de 2018 no Prêmio da Música Brasileira. Além de peças próprias para o violão solo, Penezzi apresentará obras de grandes nomes ligados ao violão paulista como Garoto, Paulinho Nogueira e Antônio Rago. Complementando o programa:  “A Catedral”, de Agustín Barrios, e “Sons de Carrilhão”, de João Pernambuco: ícones do repertório mundial do instrumento que poderão ficar ainda mais interessantes no contexto da apresentação na Cripta. 

Na semana seguinte (13/7),na sala do piano, será a vez dogrupo Brazu Quintêse apresentar. Com peças autorais inspiradas na cultura brasileira regional. o grupo tem como marca uma inusitada união da formação de câmara com a guitarra.

sábadodia 20/7,será a vez doMadrigal Encanto: com um repertório com obras de Anton Brukner, John Rutter, Marlos Nobre, Dorival Caymmi e outros, apresentadas na Cripta.

30 CONCERTOS 

Os 30 concertos relacionarão 4 linhas temáticas principais: “Uma praça e suas camadas” (com repertórios e sonoridades explorando diferentes momentos da praça da Sé e do desenvolvimento da Cidade de São Paulo: desde quando ali havia a Mata Atlântica atéhoje, com os desafios para o presente e o futuro); “Povos de São Paulo” (com grupos e solistas das diversas origens que formaram a cidade, a começar pelas matrizes indígena, européia e africana, chegando até os imigrantes mais recentes); “4 Elementos” (abordando repertórios ligados a Água, Ar, Terra e Fogo, e como esses se relacionam com a arquitetura e a história da Catedral); “Espaço e Tempo na Música Sacra” (com a execução de peças de diferentes épocas e estilos explorando sonoridades diversas dos espaços da Catedral da Sé). 

CURIOSIDADES SOBRE A CRIPTA

- A cripta está a 7 metros de profundidade em relação à Praça da Sé. Foi projetada pelo alemão Maximilian Emil Hehl, professor de arquitetura e engenharia da Escola Politécnica. 

- Abriga 32 câmaras mortuárias, 18 delas ocupadas por personagens ligados à igreja e à cidade de São Paulo.

- Seguindo a tradição das catedrais européias, a Cripta da Catedral da Sé abriga personagens fundamentais da história da cidade. Os restos mortais do cacique Tibiriçá (considerado o primeiro cidadão paulistano) e do Regente Feijó (que governou o Brasil enquantoDomPedro II era criança) estão no local, em túmulos com esculturas em bronze (e em tamanho real) retratando passagens de suas vidas. 

- Possui duas destacadas esculturas de Jó e São Jerônimo, produzidas por Francisco Leopoldo e Silva em Roma. O artista foi colega de Brecheret, com quem estudou na Academia da França. 

- Tem um conjunto de 4 vitrais destacando elementos da flora e agricultura presentes no Brasil. Durante a construção da Catedral, os vitrais serviam de iluminação parcial à Cripta. Com a catedral pronta, foram cobertos pela própria catedral (ehojesão destacados por iluminação elétrica). Foram produzidos pela Casa Conrado, a mesma responsável pelos vitrais do Mercadão. 

- Os detalhes em metal da Cripta foram fundidos em bronze no Liceu de Artes e Ofícios. 

- Relevos produzidos por Ferdinando Frick destacam anjos com trombetas e uma ampulheta, remetendo ao cenas do juízo final.

- Dentre os sepultados na cripta, está o frei Bartolomeu de Gusmão: considerado o inventor do balão. Nascido em São Vicente, viveu na Espanha no Século XVII, foi acusado de bruxaria pela inquisição e inspirou um dos personagens principais de José Saramago no livro Memorial do Convento. 

- O corpo de Santos Dumont ficou guardado na Cripta durante julho e dezembro de 1932, na revolução constitucionalista, até ser transportado em segurança para ser sepultado no Riode Janeiro

- O mais recente sepultado na Cripta foiDomPaulo Evaristo Arns, em 2016. O texto em latim diante de seu mausoléu descreve sua importância pela preservação dos pelos Direitos Humanos.

- Outra parte interessante da cripta é onde ficam as réplicas de relíquias, como a da coroa de Cristo, a do sudário, a do chicote que açoitou Cristo e a dos cravos que perfuraram o corpo de Cristo.

Alimentos afrodisíacos na história da gastronomia

Desde que o ser humano conhece a escrita temos notícias de afrodisíacos capazes de dar maior potência sexual ou aumentar o desejo de seu parceiro ou parceira. Há muitos exemplos celebres na história da gastronomia, entre eles:

No Egito Antigo, o povo acreditava que tanto as cebolas quanto a alface eram alimentos afrodisíacos associados ao deus Amon-Min, vide a cena de oferendas de alface ao deus Amon-Min feita por Ramsés II em Abu Simbel.

Já na Bíblia, há uma referência a um afrodisíaco, em Cântico dos Cânticos, o livro escrito pelo Rei Salomão, o filho do Rei David. No capítulo 7 versículos 13 e 14, fala-se assim de uma raiz com efeito afrodisíaco: “As mandrágoras estão cheirando o perfume. Temos na porta muitas frutas deliciosas, velhas e novas, que eu tenho guardado para ti, oh meu amor! ”

Em Roma, o filósofo Apuleio, séc II d.C., teria empregado uma receita afrodisíaca para conquistar a rica viúva romana Pudentilla, uma deliciosa sopa de peixes, conhecida em Marselha como Bouillabaisse. O autor romano foi até acusado de bruxaria pela família da viúva de tão grande o poder do ensopado de peixes.

Apicius, autor romano do primeiro livro de cozinha, não deixou de anotar receitas afrodisíacas, dentre elas a receita de lentilhas com frutos do mar – Receita da Velha –, que estará disponível no fim do artigo.

Os peixes também eram elogiados por Anthelme Brillat-Savarin (1755-1826) que conta que Saladino, ao tentar testar a pureza e a castidade sexual dos religiosos, primeiro teria imposto a eles um regime a base de carne vermelha, o que se mostrou ineficaz, por conseguinte, forçou os religiosos a se alimentarem apenas de peixes, o que teria feito os dervixes (praticante aderente ao islamismo) ficarem tão excitados que eles teriam corrido atrás das mulheres do harém do sultão.

Giovanni Giacomo Casanova (1725-1798), o mais celebre sedutor de todos os tempos, era também um grande adepto de afrodisíacos. Para ele, a chave de todo o sucesso estava no consumo de ostras com champanhe. Reza a lenda que ele teve mais de 132 mulheres e que além do espumante e das ostras ele aumentava o aquecimento de sua casa para que as mulheres tivessem vontade de se despir mais rapidamente. Além disso, ele tinha uma estratégia especial, em que as pessoas deviam passar as ostras de uma boca para outra.

Na época moderna francesa, acreditava-se que as alcachofras fossem afrodisíacas, bem como a baunilha e o chocolate, todos grandes estimulantes do sexo feminino. Há, inclusive um poema sátiro anônimo que diz:

Alcachofras! Alcachofras!

Elas aquecem o corpo e o espírito!

Elas aquecem as partes nobres!

Catarina de Médici adora alcachofras!

Comer alcachofra, dizem, é como ser acariciado. Catarina de Médici, como o versinho já mostra, teria escandalizado a corte francesa por deixar clara sua paixão por alcachofras. Apreciar tanto um afrodisíaco não era uma atitude muito adequada para uma mulher, ainda mais da alta nobreza. Mas não há registro de queixas por parte do marido, HenriqueII.

Os chineses tinham, desde tempos antigos, o costume de usar os afrodisíacos medicinais e mecânicos. Eles conheceram o afrodisíaco vegetal usado atéhoje, o gengibre, e com ele faziam uma geleia que estimulava especialmente as áreas sexuais da mulher. Também usavam outra raiz, a do ginseng ou, com os mesmos efeitos.

Porém, o mais forte dos afrodisíacos por eles usado é, sem dúvida, a sopa de ninho de pássaro, uma preparação bem temperada que nunca falha, segundo os chineses. Os ninhos são tirados das montanhas perto do mar e,na Europa, esta sopa foi sempre muito procurada, sendo que as pessoas chegavam  a pagar uma fortuna pelo sabor delicioso e exótico que apresenta.

A literatura tradicional da Índia traz diversas referências aos afrodisíacos. Nunca existiu uma quantidade tão importante de dados como o que se acha no Kama Sutra, por exemplo. Kama quer dizer "prazer de amor" ou “prazer físico” e Sutra é o “escrito”. Um vegetal que era muito usado na Índia, também conhecido na Europa, era a raiz do Kang (grama húngara oupanicum italicum) misturado com mel, segundo outro livro, oAnanga Ranga.

Algumas comidas foram glorificadas como afrodisíacas por serem raras ou misteriosas. Além disso, muitos povos antigos acreditavam na “lei da similaridade”, o que os faziam crer que objetos semelhantes aos órgãos genitais teriam efeitos sexuais. A similaridade do formato do chifre do rinoceronte com o órgão sexual masculino é o que lhe deu a reputação mundial de aumentar o desejo, uma vez que o próprio formato facilitava a autossugestão. Mas os cientistas explicam que o chifre contém uma porção significante de cálcio e fósforo, e conduz ao maior vigor físico e possível melhoria do interesse sexual.

Seja como e onde for, no decorrer da história, a busca por afrodisíacos é incessante e na maioria das vezes, esses são alimentares. Se sua ação é mítica ou verdadeira, isso não se pode dizer, pois por mais que alguns afrodisíacos sejam testados pela ciência, não se pode esquecer do fator de autossugestão ou placebo desses alimentos.

Mais algumas curiosidades:

        Na Grécia, acreditava-se que os testículos de asno, cozidos ou mesmo pendurados no pescoço dos homens, serviam como amuletos para a virilidade;

        Os testículos de leão são muito apreciados na África, por transmitirem força e coragem;

        No Chile, churrasco com testículos de gado são pratos comuns entre os homens do campo;

        Catarina, a Grande Imperatriz da Rússia, ganhou fama de sexualmente insaciável. Defendia relações sexuais 6 vezes ao dia e talvez tenha cumprido a prescrição até morrer, aos 77 anos. De manhã, gostava de chá com vodca e omelete de caviar, extremamente afrodisíacos;

        Os astecas conheciam bem o poder do chocolate:  diz-se que Montezuma bebia 50 xícaras de chocolate ao dia para bem servir suas 600 mulheres;

        Os chineses consideravam o damasco como um símbolo de sensualidade da natureza. É tido como um dos frutos deEros;

        Gengibre quente mata a sede, reanima e estimula o cérebro. E na idade madura, despertaria os amores;

        Segundo Shakespeare, a hortelã, a lavanda e o alecrim seriam grandes estimulantes para homens demeia-idade;

        O incenso egípcio mais famoso é o Kyphi, uma mistura de 16 ingredientes, dentre eles> açafrão, canela, zimbro, mel e uvas-passas. Foi descrito como “um aroma apreciado pelos deuses”. Era queimado depois do pôr do sol para garantir a volta de Rê, o Deus Sol, e também por seu efeitoinebriante e afrodisíaco;

        O chá de jasmim é um maravilhoso auxiliar de Afrodite. A flor é utilizada em incensos, na culinária, como óleo, em perfumes e sachês;

        Paulina Bonaparte, a irmã de Napoleão Bonaparte, é descrita como ninfomaníaca incorrigível. Sua poção do amor consistia em morangos e champanhe.

Abaixo, receita oriunda de um dos primeiros livros de receita ocidentais, do Império Romano.

Receita da Velha

Lentilhas com frutos do mar (Apicius  “DE re Coquinaria”, livro V)

600 gramas de frutos do mar limpos;

200 gramas de lentilhas verdes;

30 ml de vinho tinto;

1 colher de café de mel;

Uma pitada de azeite de oliva extravirgem;

2 alhos-porós pequenos;

Uma pitada de coriandro, menta, alho, sal e pimenta.

Modo de preparo

1.   Ferver as lentilhas em água salgada durante uma hora, acrescentar o coriandro, a menta, o alho, o sal, a pimenta, os alhos-porós, o vinho, o mel e duas colheres de azeite de oliva;

2.   Cozinhar até que as lentilhas estejam macias;

3.   Fritar com azeite de oliva o alho, o coentro e colocar os frutos do mar aos poucos;

4.   Acrescentar colheres de água e cozinhar durante 3 minutos;

5.   Colocar as lentilhas num bol e sobre as mesmas os frutos do mar

¹ Prof. Dr. Cintia Gama Rolland é historiadora da gastronomia, egiptóloga e coordenadora do curso de Gastronomia do Centro Universitário FMU.

Festa Junina criativa: três receitas para sair do convencional

O “Arraiá” é um dos momentos mais esperados do ano para se deliciar com as comidinhas típicas da data, mas que tal inovar com três receitas criativas:cocada de amendoim com leite condensado,barrinha de pipocaou atépaçoca gelada?! Confira essas delícias produzidas pela equipe de consultores Yoki:

Cocada de amendoim com leite condensado

Ingredientes:

2 latas de leite condensado; 4 xícaras (chá) de açúcar; 200 ml de leite; 1 xícara (chá) de Amendoim Yoki (torrado e triturado); ½ xícara (chá) de coco ralado; ½ colher (sopa) de margarina

 Passo a passo:

Em uma panela, adicione todos os ingredientes. Mture bem e leve ao fogo, mexendo sempre, até começar a desgrudar do fundo da panela. Retire do fogo e transfira para uma assadeira retangular (32,5cm x 4cm) untada com óleo ou margarina. Deixe esfriar um pouco e corte. 

Tempo de preparo: 1h

Rendimento: 27 pessoas

Barrinha de Pipoca

Ingredientes:

2 xícaras (chá) de açúcar/;  xícara (chá) de água; 2 colheres (sopa) de Glicose Yoki; 2 colheres (sopa) de Amendoim Yoki;  120g Pipoca Natural Yoki estourada

 Passo a passo: Para fazer sua barra doce de pipoca caramelada com amendoim, leve o amendoim ao forno preaquecido a 180°C por 30 minutos, até torrar. Após esfriar, para descascar o amendoim, esfregue-o com as mãos até soltar a pele dele. Reserve. É hora de aprender a fazer o caramelo para a pipoca e o amendoim. Em uma panela, misture a água, o açúcar e a glicose e leve ao fogo até que forme uma calda em ponto de fio. Retire a calda do fogo e junte o amendoim reservado e a pipoca.

  1. Misture até que a pipoca e o amendoim fiquem envolvidos pela calda. Sua receita de pipoca doce está quase pronta.
  2. Coloque em uma forma 28 x 18 cm, espalhe a pipoca e pressione com um rolo de macarrão.
  3. Deixe esfriar e corte em barrinhas ou em quadrados sua receita de pipoca gourmet com amendoim.
  4. Pronto, agora você já sabe como fazer pipoca caramelada em barra com amendoim!"

 Tempo de preparo: 30 minutos

Rendimento: 9 pessoas

Paçoca Gelada

Ingredientes:

1 lata de leite condensado; 2 caixinhas de creme de leite; 1 pote de paçoquinha rolha YOKI; 1 colher (sobremesa) de margarina sem sal; 1 pacote de Chantili Yoki; 2 xícaras (chá) de leite; 2 pacotes de biscoito champanhe

 Passo a passo: Esmague bem as paçocas. Em uma panela, misture o leite condensado, a paçoquinha e a margarina e ferva até engrossar. Atente para a consistência: quando ao mexer for possível ver o fundo da panela o creme estará pronto. Desligue o fogo e acrescente o creme de leite. Sua paçoquinha de colher está quase pronta!

Forre um refratário com biscoitos champagne levemente umedecidos com leite. Em seguida, despeje o creme da paçoca e faça camadas intercalando as bolachas com o creme. Para finalizar, acrescente o chantili batido conforme instruções da embalagem. Decore com paçoquinhas esfareladas e/ou inteiras. Leve sua receita de paçoca de colher para gelar.

Tempo de preparo: 40 minutos

Rendimento: 18 pessoas

As mais belas obras sacras de Leonardo da Vinci

Leonardo da Vinci é considerado uma das mentes mais brilhantes de todos os tempos. Exímio polímata (pessoa que têm conhecimento em vários assuntos), ele foi reconhecido como anatomista, arquiteto, artista plástico, botânico, cientista, poeta, matemático, músico, engenheiro e inventor. Seu reconhecimento maior, porém, é como mestre da pintura renascentista. Dotado de técnicas próprias e hábil em experimentações ele também foi precursor na criação de métodos de representação do espaço e objetos tridimensionais em uma superfície bidimensional.

Além de ser o autor de Mona Lisa, o quadro mais famoso do mundo, e da Santa Ceia, uma das pinturas de maior simbolismo religioso, da Vinci também assinou algumas das mais belas obras sacras já vistas. Conheça algumas delas (Referências: Encyclopedia Britannica (www.britannica.com); Leonardo da Vinci Net (www.leonardodavinci.net); Totally History (totallyhistory.com)

A ANUNCIAÇÂO – mais antiga obra de Da Vince e que permanece conservada ate os dias atuais. O painel foi pintado quando Da Vice trabalhava na oficina e o seu mestre, Andrea Del Verrocchio, e retrata o momento em que o Anjo Gabriel, enviado por Deus, aparece para Maria para lhe dizer que ela irica conceber um filho.

 “A Anunciação” pode ser vista na Gallerie degli Uffizi, em Florença (Itália) e uma controversa segunda versão da obra, pintada entre os anos 1478 e 1485 por Da Vinci e Lornzo di Credi, pode ser vista no Museu do Louvre de Paris (França)

SÂO GERÔNIMO – trabalho que demonstra o grande conhecimento em anatomia de Da Vice ao retratar o corpo extenuado e a expressão de dor na face de São Jerônimo, que está sentado na entrada de uma caverna escura. Trata-se de um painel inacabado que chegou a ser desmembrado em duas partes no passado e reconstituído pelo Cardel Joseph Fesch no Século XIX. A obra encontra-se atualmente na Pinacoteca do Museu do Vaticano,

MADONNA LITTA - o quadro traz a Virgem amamentando o Menino Jesus representado de uma forma muito característica ao trabalho de da Vince: a Virgem e a criança não possuem halos sobre as cabeças, emblema que era muito presente em pinturas sacras da época e que era  propositalmente abolido pelo artista para dar uma caracterização mais humana e menos santa as figuras pintadas. O quadro leva esse nome pois fez parte da coleção da Casa de Litta, uma família nobre de Milão. Atualmente pertence ao Museu Hermitage, de São Petersburgo (RU).

A VIRGEM E O MENINO COM SANT´ANA – vista por alguns estudiosos como a última pintura de Leonardo da Vici, esse trabalho usou muitas da técnicas que o artista consolidou ao longo de sua carreira ao retratar três gerações da Sagrada Família. No quadro, assim como fez na Virgem Benois, da Vince também explorou as relações humanas, mostrando a Virgem Maria com Sant´Ana e o Menino Jesus, que brincam com um cordeiro – símbolo da Paixão de Cristo, Feito sob encomenda para o altar da Igreja da Santíssima Annunziata, em Florença, o quadro atualmente faz parte do acervo do Museu do Louvre de Paris.

SÃO JOÃO BATISTA - outro trabalho que, segundo os especialistas, está entre os últimos feitos por Da Vinci. Criado a partir da técnica do esfumato, o quadro mostra São João Batista apontando para o ceíu desmonstrando um misterioso sorriso no rosto. De acordo com alguns críticos de arte, o gesto da mão sugere a importância da salvação através do batismo, o que reofrça a conotação religiosa da obra. O quadro faz parte do acervo do Museu do Louvre francês.

SALVADOR MUNDI – acredita-se que o quadro tenha sido feito para o Rei Luis XII da França. Nele Jesus olha fixamente e segura uma esfera de cristal na mão esquerda, oferecendo a benção com a direita. O obra foi alvo de polêmica em 2017 quando foi vendida pelo preço de US$ 450,5 milhões (cerca de R$ 1,5 bilhão na época) no mais caro lance de leilão da historia. O suposto comprador de Salvador Mundi é o príncipe herdeiro da Arabia Saudita Mohamed Bin Salman e sua exposição havia sido anunciada na mesma época pelo Departamento de Cultura e Tursmo de Abu Dhabi, capital dos Emirados.