Sab07202019

Last update09:04:23 AM

 


Back Você está aqui: Home Variedades As mais belas obras sacras de Leonardo da Vinci

Variedades

As mais belas obras sacras de Leonardo da Vinci

Leonardo da Vinci é considerado uma das mentes mais brilhantes de todos os tempos. Exímio polímata (pessoa que têm conhecimento em vários assuntos), ele foi reconhecido como anatomista, arquiteto, artista plástico, botânico, cientista, poeta, matemático, músico, engenheiro e inventor. Seu reconhecimento maior, porém, é como mestre da pintura renascentista. Dotado de técnicas próprias e hábil em experimentações ele também foi precursor na criação de métodos de representação do espaço e objetos tridimensionais em uma superfície bidimensional.

Além de ser o autor de Mona Lisa, o quadro mais famoso do mundo, e da Santa Ceia, uma das pinturas de maior simbolismo religioso, da Vinci também assinou algumas das mais belas obras sacras já vistas. Conheça algumas delas (Referências: Encyclopedia Britannica (www.britannica.com); Leonardo da Vinci Net (www.leonardodavinci.net); Totally History (totallyhistory.com)

A ANUNCIAÇÂO – mais antiga obra de Da Vince e que permanece conservada ate os dias atuais. O painel foi pintado quando Da Vice trabalhava na oficina e o seu mestre, Andrea Del Verrocchio, e retrata o momento em que o Anjo Gabriel, enviado por Deus, aparece para Maria para lhe dizer que ela irica conceber um filho.

 “A Anunciação” pode ser vista na Gallerie degli Uffizi, em Florença (Itália) e uma controversa segunda versão da obra, pintada entre os anos 1478 e 1485 por Da Vinci e Lornzo di Credi, pode ser vista no Museu do Louvre de Paris (França)

SÂO GERÔNIMO – trabalho que demonstra o grande conhecimento em anatomia de Da Vice ao retratar o corpo extenuado e a expressão de dor na face de São Jerônimo, que está sentado na entrada de uma caverna escura. Trata-se de um painel inacabado que chegou a ser desmembrado em duas partes no passado e reconstituído pelo Cardel Joseph Fesch no Século XIX. A obra encontra-se atualmente na Pinacoteca do Museu do Vaticano,

MADONNA LITTA - o quadro traz a Virgem amamentando o Menino Jesus representado de uma forma muito característica ao trabalho de da Vince: a Virgem e a criança não possuem halos sobre as cabeças, emblema que era muito presente em pinturas sacras da época e que era  propositalmente abolido pelo artista para dar uma caracterização mais humana e menos santa as figuras pintadas. O quadro leva esse nome pois fez parte da coleção da Casa de Litta, uma família nobre de Milão. Atualmente pertence ao Museu Hermitage, de São Petersburgo (RU).

A VIRGEM E O MENINO COM SANT´ANA – vista por alguns estudiosos como a última pintura de Leonardo da Vici, esse trabalho usou muitas da técnicas que o artista consolidou ao longo de sua carreira ao retratar três gerações da Sagrada Família. No quadro, assim como fez na Virgem Benois, da Vince também explorou as relações humanas, mostrando a Virgem Maria com Sant´Ana e o Menino Jesus, que brincam com um cordeiro – símbolo da Paixão de Cristo, Feito sob encomenda para o altar da Igreja da Santíssima Annunziata, em Florença, o quadro atualmente faz parte do acervo do Museu do Louvre de Paris.

SÃO JOÃO BATISTA - outro trabalho que, segundo os especialistas, está entre os últimos feitos por Da Vinci. Criado a partir da técnica do esfumato, o quadro mostra São João Batista apontando para o ceíu desmonstrando um misterioso sorriso no rosto. De acordo com alguns críticos de arte, o gesto da mão sugere a importância da salvação através do batismo, o que reofrça a conotação religiosa da obra. O quadro faz parte do acervo do Museu do Louvre francês.

SALVADOR MUNDI – acredita-se que o quadro tenha sido feito para o Rei Luis XII da França. Nele Jesus olha fixamente e segura uma esfera de cristal na mão esquerda, oferecendo a benção com a direita. O obra foi alvo de polêmica em 2017 quando foi vendida pelo preço de US$ 450,5 milhões (cerca de R$ 1,5 bilhão na época) no mais caro lance de leilão da historia. O suposto comprador de Salvador Mundi é o príncipe herdeiro da Arabia Saudita Mohamed Bin Salman e sua exposição havia sido anunciada na mesma época pelo Departamento de Cultura e Tursmo de Abu Dhabi, capital dos Emirados.