Ter10192021

Last update01:24:33 PM

Back Você está aqui: Home Cultura

Cultura

PAGU É RETRATADA EM PROJETO EU REÚNE LANÇAMENTO DE TEXTOS INÉDITOS, BATE-PAPO E CURTA-METRAGEM

Imagem PAGU/Internet

A vida e obra da sanjoanense Patrícia Rehder Galvão, mais conhecida como "Pagu", serviu como inspiração para o novo trabalho conduzido pela jornalista, atriz e gestora cultural Ana Gusmão. Produzido com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte, o projeto desenvolveu uma vasta pesquisa, além da criação e produção de textos sobre Pagu. Alguns pensadores foram convidados para discorrer acerca de temas ainda pouco explorados no campo científico, nas biografias lançadas e nas pesquisas disponibilizadas na internet. São ao todo 4 temas e cada articulador foi convidado a produzir um texto estabelecendo uma temática a partir de suas vivências e áreas de atuação, conforme relação a seguir:

  • Pagu na história política do Brasil. Autor: Carlos de Freitas, Professor de História
  • Pagu e a psicanálise. Autora: Juliana Motta, enfermeira e psicanalista
  • Pagu e o teatro. Autor: Luiz Paixão, diretor teatral, dramaturgo e professor
  • Pagu e a história da arte. Autor: Luiz Flávio, Professor de História da Arte;

“A vontade inicial foi provocar esses quatros pesquisadores, que são reconhecidos em seus campos de atuação, para desenvolverem os trabalhos a partir da coleta de dados e do diálogo com outros autores já trabalhados por eles. Dessa forma, temos um conjunto de textos bem distintos, com conexões e abertura de campos para reflexão a partir da obra paguniana”, ressalta a idealizadora do projeto, Ana Gusmão.

Cada um desses autores também foi convidado a participar de um bate papo com a atriz e produtora, Ana Gusmão, gravados no Teatro Feluma, onde tiveram a oportunidade de apresentar detalhes sobre os estudos. O projeto contou ainda com a produção do curta-metragem “Tanto me foi negado, por justa causa, eu diria”, em parceria com o diretor e videomaker Israel Menezes, da Moca Filmes. O filme tem roteiro e atuação de Ana Gusmão e reúne um depoimento escrito à partir do encontro da artista com Pagu.

O contato de Ana Gusmão com a vida e obra de Pagu foi se intensificando nos últimos anos, em função de um espetáculo que ela produziu sobre a referida artista. Durante o processo, ela acabou se encantando pelo universo desta mulher e decidiu continuar seguindo seus estudos.

A base deste projeto está justamente na relação entre a pesquisa e a troca de conhecimentos com a premissa de criar documentos e registros desenvolvidos a partir de uma linguagem simples e direta, sem perder a conexão com a informação, disseminando os conhecimentos e a trajetória de Pagu, além de trazer uma reflexão sobre a contribuição de sua atuação e militância para os tempos atuais e a conexão com as causas políticas e sociais que estamos discutimos hojeTodo o material estará disponível no site da Caligari Produções a partir do dia 20 de outubro de 2021.

Sobre Pagu

Embora não tenha participado da Semana de Arte Moderna, foi alçada ao título de musa do modernismo com apenas 12 anos de idade. Desde então, teve uma vida bastante agitada. O apelido Pagu foi dado pelo poeta Raul Bopp, ao dedicar a ela o poema “Coco de Pagu”. Bopp inclusive foi quem a apresentou a Oswald de Andrade. Anos mais tarde, Pagu e Oswald chegaram a se casar.

Apesar de ter crescido dentro de uma família de classe média, em São João da Boa Vista, Pagu já demonstrava desde cedo ser uma mulher avançada para os padrões da época. Aos 15 anos, trabalhava como redatora em um jornal na capital paulista, onde também assinava, sob o pseudônimo de Patsy, críticas contra o governo e injustiças sociais. Aos 18 anos, sob a influência de Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral, ela se integra ao Movimento Antropofágico.

Militante ativa do comunismo, Pagu foi a primeira mulher presa por motivos políticos no Brasil, totalizando 23 detenções. Além do forte histórico de lutas políticas e causas feministas, sua biografia é preenchida por diversas obras artísticas. Ela escrevia, desenhava, traduzia textos e ainda atuava na direção de peças teatrais.

É autora de "Parque Industrial"(1933), considerado o primeiro romance proletário da literatura brasileira. Na época, o livro foi lançado sob o pseudônimo de Mara Lobo.  Por conta de toda essa trajetória, Pagu é uma personagem intrigante e muito inspiradora, se destacando por várias épocas.  Seus ideais continuam atuais, mais atuais do que nunca. Entre as suas bandeiras constavam temas como justiça social e a transformação da pessoa por meio do acesso à cultura.

SERVIÇO

Textos, bate-papo com os autores e curta-metragem “Tanto me foi negado, por justa causa, eu diria” estão disponíveis no site a partir do dia 20 de outubro

https://www.caligariproducoes.com.br/

45a. MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA DE SÃO PAULO

(IMAGEM DIVULGAÇÃO MOSTRA SP)

 

Coletiva de Imprensa foi realizada dia 9 de outubro no sistema on-line para a classe de jornalistas e cinéfilos pela Curadora da Mostra Renata de Almeida com sucesso inusitado.

Renata anunciou que este ano a Mostra conta com 264 filmes produzidos em 50 países. Filmes de ficção e documentários grande parte deles premiados nos maiores Festivais de Cinema do mundo.

Consignou que a seleção deste ano faz um apanhado do cinema contemporâneo mundial produzido sob o impacto da Pandemia que assola a indústria cinematográfica em todos os continentes.

Renata de Almeida finalizou sua peroração com entusiasmo pelo sucesso da Mostra que apesar das dificuldades atuais continua trazendo os melhores filmes da atualidade.

Finalizada a Coletiva foi projetado em primeira mão no Brasil o filme “Má Sorte no Amor ou Pornô Amador” de Radu Jude que ganhou o Prêmio Urso de Ouro no Festival de Berlim como melhor filme.

Rodado em Bucareste, Romênia é obra insólita e desafiadora pois a Mostra é eclética em apresentar ao público para discussão do que assiste. Narra a história de Cilibi uma professora que leciona na tradicional Escola de Bucareste para crianças e jovens da classe alta. A docente é considerada por sua ética e moral ilibada, sendo prestigiada pela diretoria da Instituição, pelos colegas docentes e pais de alunos.

No preâmbulo do filme há uma cena erótica mostrando a professora praticando a felação seguida de atos sexuais desenfreados na cama com um parceiro.

Após essa cena o filme começa a narrativa dramática da jovem professora atormentada caminhando pelas ruas da cidade pois o vídeo foi parar nas redes sociais!

Instaurado o escândalo é convocada pela diretoria da escola para uma reunião disciplinar à portas fechadas com colegas docentes e pais de alunos que se consideram ultrajados pelo acontecido. 

Nesse filme o diretor Radu Jude faz uma análise crucial da intolerância, hipocrisia e discriminação na sociedade humana.

Colocada isolada numa cadeira e mesa tem seus algozes à frente vociferando ultrajes e  pedindo sua expulsão da escola. Posta em votação o destino da professora por maioria de votos opta pela expulsão!

Este o plot! Aquelas professoras tais qual os inquisidores da Idade-Média por acaso não praticam as mesmas cenas na intimidade, perguntou a jovem as acusadoras?

O filme é um Block Buster (arrasa quarteirões). O scripit (roteiro) que analisa a maldade humana é um primor na área da psicologia.

Filme conta com um elenco homogêneo nas performances de atores consumados. Fotografia impecável com tomadas da vida urbana de Bucareste mostrando a jovem desesperada caminhando pelas ruas da cidade em longos panoramas. 

   

SERVIÇO:

Filme: Má Sorte no Amor ou Pornô Amador.

Direção e Roteiro: Radu Jude.

Origem: Rômenia

Ficção - Drama - Cor - 106 min. 2020

Vencedor do Prêmio O Urso de Ouro no Festival de Berlim

Cotação: EXCELENTE

Série 'Preto À Porter' recebe em seu último episódio a família Gil e Carlinhos Brown para falar de ancestralidade

A série “Preto À Porter”, transmitida pelo Canal UOL, com criação e direção de Rodrigo Pitta, recebe em seu último episódio, no dia 21 (terça-feira), a família Gil e o cantor Carlinhos Brown. Eles serão os convidados especiais do programa, que abordará o tema da ancestralidade.

A apresentação da atração, que é uma cocriação da MOV, a produtora de vídeos do UOL, e o coletivo de entretenimento internacional TEAM O!, fica por conta do ator Helio de La Peña, da empreendedora Neyzona (Loo Nascimento), do fotógrafo Roger Cipó e da historiadora Caroline Sodré.  

O episódio trará grandes famílias da música popular brasileira como exemplo de herança ancestral de pai para filho, de avô para neto, ou entre irmãos de sangue ou da raça. Além da família Gil (Gilberto Gil, Preta Gil, Francisco Gil, Nara Gil, João Gil e José Gil), de Carlinhos  e Chico Brown (pai e filho), a atração ainda recebe os irmãos Luciana Mello e Jair Oliveira, e a cantora Mart’nália.

“Preto À Porter” tem a proposta de rever pontos históricos e discutir temas importantes, saudando, de maneira afro afirmativa, a herança deixada pelos povos africanos ao Brasil. O programa tem ainda um diferencial específico: o elenco, direção, roteiro, convidados e produção são compostos majoritariamente de pessoas pretas.  

Acompanhe Preto À Porter pelo Canal UOL na próxima terça-feira, às 11h00.

MUSEU DO IPIRANGA COMEMORA O DIA DA INDEPENDÊNCIA COM POCKET SHOW DE JOÃO BOSCO


(Foto Criollo Films)

Neste 7 de setembro, faltará apenas um ano para a reabertura do Museu do Ipiranga. E, enquanto o público ainda não pode ir ao Museu, o Museu irá até o público. Em comemoração ao Dia da Independência, a instituição lança o pocket show João Bosco no Museu celebra Aldir Blanc, gravado dentro do Edifício-Monumento em reforma. Além de cinco canções com arranjos inéditos de Mário Adnet e participação de Mart’nália, o vídeo mostra um passeio do músico por diversos ambientes do Museu, enquanto fala sobre seu parceiro homenageado e a instituição centenária. No mesmo dia, será inaugurado um totem com um relógio em frente ao Museu com a contagem regressiva para a reabertura do espaço.

A data comemorativa marca também o início da reforma do Jardim Francês, que, para prezar pela integridade do conjunto, foi incluído na proposta do Novo Museu do Ipiranga. O projeto, totalmente compatível com a integridade do bem tombado, prevê a restauração de toda a área construída e botânica, além da construção de um restaurante com 270m², espaço para food bikes, modernização da iluminação, requalificação das vias de acesso e o resgate de duas fontes do projeto original, demolidas em 1972. O valor investido pelo Governo do Estado nas obras de restauro e requalificação do Jardim Francês será de 19 milhões, por meio de um convênio entre a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e a Fundação de Apoio à USP, responsável pela gestão do projeto.

O pocket show João Bosco no Museu celebra Aldir Blanc traz sucessos do repertório desta aclamada dupla da música brasileira e será lançado no Facebook Instagram do Museu, às 19h. Acompanhado por Ricardo Silveira, na guitarra, Guto Wirtti, no contrabaixo e Edu Ribeiro, na bateria, João Bosco se apresenta ao lado da cantora, atriz e aniversariante do dia, Mart’nália. No repertório, cinco músicas de João Bosco em parceria com Aldir Blanc: Nação (composta em trio com Paulo Emílio), Mestre Salas dos Mares, O Bêbado e a Equilibrista, O Ronco da Cuíca e Incompatibilidade de Gênios. Além do show, João Bosco compartilha com o público algumas memórias vividas com Aldir, como o dia em que se conheceram, como viraram parceiros de composição, e como criaram a clássica O Bêbado e a Equilibrista a partir da morte de Charles Chaplin.

Ainda no ambiente digital, o Museu do Ipiranga dará início a uma série de vídeos sobre itens do acervo diretamente relacionados à Independência do Brasil, como a famosa tela de Pedro Américo, Independência ou Morte, e a pedra fundamental, que foi enterrada nos campos do Ipiranga para assinalar o lugar da proclamação de 1822. Quem lidera este passeio pelo acervo é o ator, humorista e influenciador digital Ivan Mesquita, que viralizou em seu perfil do Instagram após contar a história da heroína da Independência na Bahia, Maria Quitéria, de forma descontraída e engraçada, usando o retrato dela pertencente ao acervo do Museu. Serão 12 vídeos a serem lançados mensalmente pelas redes sociais, até o momento da reabertura. As peças também irão ao encontro das pessoas por meio dos monitores instalados no trem e nas estações da CPTM, além de ocupar espaços da Eletromídia nos edifícios residenciais e comerciais da cidade, com vinhetas dos vídeos e mais informações via QR Code.

E também será lançado, no aplicativo Museu do Ipiranga Virtual, o jogo Museu sob Ataque. Na trama, um experimento com uma inteligência artificial avançada saiu do controle, colocando os robôs em guerra com os humanos. O jogo estará disponível para download a partir do dia 7/9. O programa é compatível com as plataformas Android, iOS, Windows, Mac e Xbox One.

Museu do Ipiranga - USP

Fechado desde 2013, o Museu do Ipiranga é sede do Museu Paulista da Universidade de São Paulo, e seguiu em atividade com eventos, cursos, palestras e oficinas em diversos espaços da cidade. As obras de restauro, ampliação e modernização do Museu são financiadas via Lei de Incentivo à Cultura. O edifício, tombado pelo patrimônio histórico municipal, estadual e federal, foi construído entre 1885 e 1890 e está situado dentro do complexo do Parque Independência. Concebido originalmente como um monumento à Independência, tornou-se em 1895 a sede do Museu do Estado, criado dois anos antes, sendo o museu público mais antigo de São Paulo e um dos mais antigos do país. Está, desde 1963, sob a administração da USP, atendendo às funções de ensino, pesquisa e extensão, pilares de atuação da Universidade.

PÚBLICO JÁ PODE VISITAR OS PRINCIPAIS MUSEUS LITERÁRIOS DE SÃO PAULO EM DIAS E HORÁRIOS NORMAIS

Fachada do museu Casa das Rosas - Foto: André Hoff.

Rede de Museus-Casas Literários de São Paulo, programa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo gerenciado pela Poiesis, aumenta a capacidade de público e amplia horário de visitação a partir De hoje, 17 de agosto. A rede é composta pelos museus Casa das Rosas, Casa Guilherme de Almeida e Casa Mário de Andrade.

Os dias de visitação voltam a ser aqueles do funcionamento dos museus antes da pandemia, de terça a domingo, das 10 às 18h00. O número de visitantes varia por unidade: a Casa das Rosas receberá até 15 visitantes por hora, a Casa Guilherme de Almeida permitirá até 5 visitantes por hora e a Casa Mário de Andrade estabelece o limite de 6 visitantes por hora.

Casa das Rosas

Até o dia 29 de agosto, o público que visitar a Casa das Rosas encontrará a exposição Coestelário. A mostra é uma homenagem às vidas abreviadas pela pandemia em 2020. Por meio de "lápides" de poesia visual, ao modo das antigas estelas funerárias, que davam voz e imagem à pessoa querida que partiu, a mostra apresenta 70 estelas, em que o epigrama funerário se funde à imagem, num jogo de constelações.

A exposição, que conta com o apoio Companhia das Letras e da Artmosphère, reúne 70 poemas visuais criados pelo poeta Guilherme Gontijo Flores em parceria com o ilustrador Daniel Kondo. Aldir Blanc, Moraes Moreira, Olga Savary, Zuza Homem de Melo, Quino, Chica Xavier, Maria Alice Vergueiro e Aritana Yawalpit são alguns dos homenageados da exposição.

Os visitantes ainda poderão apreciar a exposição de longa duração "Estrutura explodida - vidobra de Haroldo de Campos" e conhecer ou rever o belo imóvel do museu, da década de 1930, quando o casarão no estilo clássico francês foi projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo, onde seus herdeiros viveram até os anos 1980.

Casa Guilherme de Almeida

Quem visitar a Casa Guilherme de Almeida encontrará os móveis, objetos, livros e obras de arte que pertenceram ao patrono do museu, poeta, tradutor e jornalista Guilherme de Almeida, e à sua esposa Baby de Almeida, além de uma exposição temporária de livros raros de autores modernistas, como Pauliceia desvairada, de Mário de Andrade, e Pau Brasil, de Oswald de Andrade.

Casa Mário de Andrade

A exposição de longa duração "Morada do Coração Perdido" , na Casa Mário de Andrade, traz a trajetória multifacetada do escritor, músico, pesquisador e gestor cultural Mário de Andrade, as curiosidades da residência onde o modernista e seus familiares viveram entre as décadas de 1920 e 1940, além de como o imóvel, que completou 100 anos em 2020, se tornou instituição museológica.

Os visitantes também poderão conhecer a exposição temporária "Fantoches da meia-noite - A modernidade que sai das sombras". A mostra focaliza uma das criações mais representativas do processo de instauração do movimento modernista no Brasil: o raríssimo álbum de gravuras Fantoches da meia-noite, de Di Cavalcanti, publicado em 1921 pela Editora Monteiro Lobato e Cia.

Estarão expostas as 16 pranchas que integram o exemplar do acervo da Casa Guilherme de Almeida, colorido à mão por seu autor. Trata-se, portanto, de exemplar único, que pertenceu ao amigo e companheiro de Di Cavalcanti no movimento modernista, Guilherme de Almeida.

As imagens que compõem a obra Fantoches da meia-noite são crônicas visuais da vida noturna carioca, um álbum de retratos da "Alma encantadora das ruas", assim como os textos de João do Rio. Inspirado na exposição "Fantoches da Meia-Noite - A modernidade que sai das sombras" e nas crônicas de João do Rio, o educativo da Casa Mário de Andrade irá explorar esses personagens que circulavam nas sombras da sociedade burguesa do início do século XX em uma visita temática. A atividade acontecerá no dia 4 de setembrosábado, às 14h. Inscreva-se no site do museu até 3 de setembro.

JAPAN HOUSE SÃO PAULO ABRE NOVA EXPOSIÇÃO

Japan House São Paulo abriu hoje em sua sede na Avenida Paulista, o ‘Lounge Esportivo: Tokyo 2020’. Com uma série de atividades e conteúdo acerca dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, que tem início em 23 de julho na cidade de Tóquio, no Japão, o lounge traz elementos surpreendentes, novidades esportivas e informações sobre a organização das competições, incluindo as novas modalidades. Por meio desta ativação, a instituição pretende trazer aos fãs do esporte a forte conexão Brasil-Japão, bem como se transformar em um ponto de encontro, aqui no Brasil, de todas as partes envolvidas com o maior evento esportivo do mundo.

Instalado no térreo da instituição, os visitantes do Lounge serão recebidos pelas mascotes Olímpico e Paralímpico. A Miraitowa, representante dos atletas Olímpicos, traz no nome a junção das palavras japonesas Mirai e Towa, que significam futuro e eternidade. Já a Someity, representa os atletas Paralímpicos e é o resultado da fusão abreviada das palavras japonesas e inglesas, Someiyoshino alusão à uma popular variedade de cerejeira do Japão e aos que possuem um incrível poder mental e força física, e so mighty, de ‘tão poderosa’, para representar os atletas paralímpicos, que superam obstáculos e redefinem os limites do que é possível.

Outro destaque apresentado é o pioneirismo japonês nos jogos de Tóquio de 1964, no desenvolvimento de símbolos e adoção do design como ferramenta de comunicação. Para apresentar esta inovação, o Lounge terá um espaço dedicado a eles que conta com vídeo sobre os mais de 50 símbolos que representam cada esporte, expostos de forma lúdica para que o público possa interagir e conhecer cada um deles.

Lounge Esportivo: Tokyo 2020 destaca ainda as principais novidades do evento, como as tão aguardadas estreias do surfe e do skate, além dos esportes indicados pelo país anfitrião, como o karatê, arte marcial que surgiu no século XV em Okinawa, que fará parte dos Jogos exclusivamente nesta edição, além do retorno do beisebol e softbol, por conta da imensa popularidade do esporte no Japão. Essas modalidades contarão com um espaço dedicado, com projeções mapeadas e monitores de TV apresentando os principais movimentos, manobras e golpes, além de conteúdos e informações relevantes para que os visitantes possam conhecer suas histórias, regras e curiosidades. Há também uma área destinada aos esportes paralímpicos, com a exposição de alguns equipamentos utilizados pelos atletas para a prática de modalidades como goalball e bocha, exclusivas dos Jogos Paralímpicos, além do rugby, basquete e tênis, disputados em cadeira de rodas.

E para completar, a instituição promoverá o projeto “Criadores”, que explora uma riqueza de possibilidades trazendo rico conteúdo em tornos de temas como tecnologia, criatividade, arquitetura, ciência, esportes, entre outros, vindos diretamente do Japão, com especialistas destas áreas como Kengo Kuma, arquiteto japonês responsável pelo projeto arquitetônico da Japan House São Paulo e também pelo Estádio Olímpico Nacional de Tokyo 2020; Kota Iguchi, motion designer japonês e um dos responsáveis por criar os movimentos animados dos pictogramas; além de professores, pesquisadores, atletas da área da ciência, entre outros. O projeto poderá ser visto na Sala de Seminários (2o andar) e pelas redes sociais da instituição.

O Lounge Esportivo: Tokyo 2020 fica aberto ao público até 12de setembro com entrada gratuita. Reservas online antecipadas (opcional) devem ser feitas em https://agendamento.japanhousesp.com.br/

O horário de funcionamento é de terça-feira a domingo das 11 às 16h00.

VIRADA CULTURAL ESTÁ DE VOLTA A SÃO JOÃO. MAS NO FORMATO ONLINE

São João da Boa Vista está de volta ao cenário cultural do Estado de São Paulo, após confirmar, nesta semana, sua participação na Virada Cultural Paulista. Desde o ano passado, por conta da pandemia, o evento foi denominado Virada SP Online, numa parceria entre Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Amigos da Arte e prefeituras envolvidas.

Além do evento, os 20 municípios selecionados serão automaticamente reconhecidos como “Capital Cultural”, além de integrar a Rede de Capitais Culturais do Estado de São Paulo. A Virada SP Online é uma maratona cultural digital multilinguagem, com apresentações online de artistas e grupos de relevância no cenário cultural local, regional, nacional e internacional. As apresentações ocorrerão a partir do mês de julho, na Plataforma #CulturaEmCasa e em redes sociais relacionadas.

São João da Boa Vista foi escolhida ao lado de: Bertioga, Botucatu, Franco da Rocha, Ilha Solteira, Itanhaém, Itapevi, Itapira, Mairiporã, Mirante do Paranapanema, Mogi das Cruzes, Piracicaba, Ribeirão Preto, Santa Fé do Sul, São Bento do Sapucaí, São José dos Campos, São Luís do Paraitinga, Serrana, Sete Barras e Ubatuba.

Para participar, o Departamento de Cultura enviou proposta demonstrando interesse em executar a edição da Virada SP Online, incluindo indicações de atividades, artistas, personalidades locais e espaços públicos importantes do município, fornecendo informações e documentos através da inscrição online.

Os municípios selecionados serão apoiados com a direção e concepção do evento online, com programação cultural exclusiva, e a difusão virtual de todas as atividades. Em contrapartida, os municípios selecionados ficarão responsáveis pela entrega dos registros audiovisuais das atividades locais selecionadas, sob orientação da Amigos da Arte.

O investimento do Estado é de R$ 200 mil em cada cidade, incluindo produção, comunicação e pagamento de cachês das atividades que integrarão a programação.

“PARIS, TEXAS” NO PONTO MIS


O Projeto Bate-Papo de Cinema do Ponto MIS promove exibições de filmes seguidos de debates ao vivo, sempre buscando trazer membros da equipe de filmes, pesquisadores da área, críticos de cinema, jornalistas e agentes cineclubistas para discutir sobre a obra e apresentar curiosidades da produção.

Neste mês de julho, em parceria com o serviço de streaming Belas Artes à La Carte, o Mis vai apresentar mostra de filmes que percorrem o mundo transitando por vários continentes,

Na primeira edição o filme em cartaz é “Paris, Texas”, uma produção de 1984 (direção de Wim Wenders). O filme fica disponível para ser assistido a partir desta quinta-feira, dia 1º de julho, até sábado (3/7), mas os interessados devem se inscrever, gratuitamente, no link https://forms.gle/gYH4CpKLRecju6FA9

No sábado, às 18h00, no canal do MIS no Youtube será realizado o bate-papo sobre o filme, e o convidado para analisar a produção é Marcelo Lyra (crítico literário, crítico de cinema e professor), participação de Juliana Brito (diretora executiva do Belas Arte Grupo) e com mediação de Giuliana Monteiro (roteirista e diretora).

“Paris, Texas” mostra o encontro de um homem exausto e sem memória em um deserto ao sul dos Estados Unidos. Aos poucos se recordando de sua vida, ele é acolhido pelo irmão Walt, que é casado com Anne. Com eles vive também Hunter, filho do homem sem memória, que aos poucos volta a se identificar com o pai. O homem é Travis Henderson, que logo tem que enfrentar também sua esposa, Jane, e tentar acertar sua vida de novo.

Na foto Travis (Harry Dean Stanton) e Jane (Nastassja Kinski), vistos em Paris, Texas.

EXPOSIÇÃO CELEBRA 80 ANOS DE VIDA E MÚSICA DO MAESTRO JOÃO CARLOS MARTINS

(Foto de Karim Kahn/Fiesp)

No mês em que o regente da Bachiana Filarmônica Sesi-SP comemora seus 81 anos, o Centro Cultural Fiesp inaugura a exposição inédita João Carlos Martins: 80 Anos de Música. A mostra, que vai além da história de vida do renomado maestro, convida o público a conhecer mais de perto a influência da música em sua trajetória em quase mil metros quadrados de espaço expositivo entre os dias 16 de junho e 26 de setembro, de quarta a domingo, das 13 às 20h00. A entrada é gratuita, mas é necessário realizar agendamento .

Para o curador e diretor artístico da mostra, Jorge Takla, a grande surpresa foi descobrir uma quantidade extraordinária de material no exterior sobre a carreira internacional do maestro. “Infindáveis críticas elogiosíssimas, artigos, comentários sobre o artista, considerado um dos maiores pianistas do mundo no século 20. Uma história pouco conhecida no Brasil de João, o Maestro do Povo”, conta.

Por dentro da exposição

Para Álvaro Razuk, que assina o projeto de arquitetura da exposição, “o personagem João Carlos Martins é síntese de múltiplas leituras: o pianista, o regente, o homem público. Esta diversidade foi o que nos orientou para conseguir a solução arquitetônica que respondesse a estas diversas questões”.

Logo na entrada da Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp, o som de uma orquestra afinando seus instrumentos prepara o público para a imersão. A partir daí, inúmeras fotos, vídeos, textos, publicações, reportagens, filmes e documentários, além de objetos que marcam sua vida e carreira, estão divididos em duas fases dentro do espaço expositivo: a primeira delas, o Pianista – com corredores musicais e pictóricos, que conduzem a uma viagem entre os anos 1940 e 2003 –, e a segunda, o Maestro – onde o público terá contato com a determinação de um homem que optou pela vida e pela música.

Em um dos destaques da mostra, a Sala do Piano, uma holografia do pianista João Carlos Martins conversa com o público e toca músicas que foram memoráveis em sua carreira. Já na Sala da Orquestra, os visitantes poderão reger uma sinfônica como maestro, em uma brincadeira interativa.

Em outras cinco mini salas de projeção, e nos corredores da Galeria, serão exibidos vídeos curtos, com passagens de suas apresentações, depoimentos de Martins e de várias celebridades, além de filmes, entrevistas nacionais e internacionais que documentam histórias e memórias de seus 80 anos de música.

A atuação do maestro nas áreas social e educacional também tem vez na mostra. O público vai poder conhecer as ações realizadas junto aos jovens carentes das periferias, os projetos de formação musical e concertos gratuitos realizados pela Fundação Bachiana em parceria com o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP).

Além da orquestra, maestro e Sesi-SP também criaram o Orquestrando São Paulo, projeto pioneiro na capacitação técnica e artística de regentes via plataforma on-line, que ainda angaria e coordena os apoios locais para ampliar o acesso das comunidades à música, e implementaram os Núcleos de Música que oferecem cursos livres e gratuitos de iniciação musical e de instrumentos de cordas para crianças e adultos nos Centros de Atividades do Sesi no Estado, ambos como forma de democratizar o acesso à música clássica e à cultura.

 Em outra sala da exposição o foco é a forte ligação de Martins com a Ciência e a Saúde, já que o regente luta contra problemas físicos desde a infância, tendo passado por 24 cirurgias.

E não poderia faltar o samba – o maestro foi homenageado no enredo A Música Venceu, que deu o título de campeã à escola de samba paulistana Vai-Vai, em 2011 – e o futebol, através de seu forte envolvimento desde a infância com o time da Portuguesa.

Outro destaque será o compositor J.S. Bach (21/3/1685 - 28/7/1750), que ganha um espaço especial na exposição, assim como teve na carreira do pianista e maestro João Carlos Martins.

Serviço:

Exposição João Carlos Martins - 80 Anos de Música

Período expositivo: de 16 de junho a 26 de setembro de 2021

Horários: de quarta a domingo, das 13h às 20h

Local: Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp

Endereço: Avenida Paulista, 1313 (em frente ao Metrô Trianon-Masp)

Entrada gratuita. Agendamento de visitas em: www.sesisp.org.br/eventos

Agendamentos escolares e de grupos:O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

(Foto de Karim Kahn/Fiesp)